quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Holmes, Sherlock Holmes


Delicioso. Embora do resto da minha família ter detestado, e diria quase odiado se eu tivesse a mesma opinião, eu adorei. É complicado, sim admito. E comprido. Mas o enredo, a banda sonora, a cor, e o Jude Law (tinha de o referir, era um crime se não o fizesse) ajudaram em tudo, tudinho. O meu pai, ao meu lado adormeceu aí umas três vezes, a minha mãe acenava negativamente em cada cena de pancada, isto é, a cada dez minutos.

Da próxima vez, já prometi a mim própria, vou sozinha. Ou então levo o rapaz do cinema. Ah, é verdade, ainda não contei disto. Um dia destes.

sábado, 26 de dezembro de 2009

Ele é quase perfeito, mas...

Há rapazes que simplesmente não deviam existir. São minimamente giros, simpáticos, queridos até. Conseguimos conversar uma noite inteira com eles se for preciso. Fazem-nos rir. Mas... e depois de tudo isto, não arrebatam o nosso coração. Não há o click. Não há paixão nenhuma. E é exactamente quando te apercebes disto que te apercebes também de é esse mesmo rapaz que está caídinho por ti.
O que é que acontece? Ficas num beco sem saída. Não queres ser mázinha com ele por ele não merece. Porque ele é fofinho. Mas também não lhe podes dizer que sim, porque vais estar a mentir a ti própria. Mas também não te queres afastar dele porque ele te dá atenção. E sejamos sinceras: todas gostamos.
Assim sendo, eles não deviam existir. Só servem para nos atormentar a vida. E o ego. Mas esse acabava por ficar melhor se depois não tivesse de andar às voltas. Que diabos.

Ai

a minha vida. Ah, é verdade. Feliz Natal a todos. Que eu não seja aclamada de ser mal-educadinha.
Pronto, eu estou um bocadinho irritada. Só isso. E só por estar a escrever aqui já me está a deixar ainda mais. Não sei, talvez seja do tempo, do dia, de mim. Tudo o que oiço, tudo o que faço está-me a irritar. Não me apetece.
Aliás, apetece. Apetece-me deitar, tapar-me com os cobertores e dormir. Dormir, dormir até este pesadelo acabar.

sábado, 10 de outubro de 2009

Há coisas em que realmente eu não me compreendo

Como é que eu continuo a falar e a fazer risinhos e a ficar corada com um tipo que é um atrasado mental, um tolo, um convencido e que não diz uma única coisa que se aproveite.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Recadinhos

1) A partir de hoje este blog é público, o que quer dizer que muita gente que conheço o vai ver: medo.
2) Só para dizer que estou a morrer de sono e que é decadente tê-lo a esta hora. Quero ter uma vida decente (que muito sinceramente sei que só vai chegar quando me reformar, mas podemos sempre ir reclamando).

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Sacanas


Que sacanagem. Tem muito sangue. Ui, muito sangue. Também tem muita II Guerra, muito alemão à mistura, e muito hitler. E muitos nazis. E muito Brad Pitt.
Adorei. Sendo uma comédia negra, daquelas que tratam assuntos sérios a brincar está brilhante.
E o sangue acaba por meter impressão ao início, depois já é uma coisa que faz parte. Que acaba por ser essencial para o filme. Não tem clichés. Quem pensamos que não morre morre e quem pensamos que morre morre. Gostei sim. E era até capaz de arriscar que vai estar nomeado para os óscares. Mas isso sou eu que não percebo nada do assunto.

sábado, 19 de setembro de 2009

Praxe!

Porque realmente é o que mais caracteriza um caloiro: a praxe. Depois de duas (longas) horas a fazer a matrícula, cá fora esperavam-me uns quinze 'doutores' (como eles gostam de se autoproclamar) para me praxarem. Estive por volta de uma hora naquilo. Fiz de cavalo, gritei 'ri-me, fodi-me', fiz uma declaraçao de amor, fiz de emplastra, gritei 'viola-me que eu gosto' atrás de um rapaz que dizia 'não, que eu sou gay', enfim, fiz figura de parva. Não me importei. Foi engraçado sim. E segunda há mais.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Ui

Soube hoje o meu resultado da colocação. É, parece que sou caloira. Ui, o termo até custa. Mas sim, a partir da próxima semana e depois da matrícula, sou oficialmente aluna da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra. Mas, e agora? Medo. Medo.

That awesome feeling

Quando ontem à tarde duas pessoas dizem o mais banalmente possível: "Sim, a Buu é das pessoas mais simpáticas desta empresa" A...