domingo, 31 de janeiro de 2010

Well well


Aviso prévio: para quem não leu o crepúsculo não vai perceber nadinha do que vou dizer a seguir. Se ainda assim quiser continuar é problema seu.

Hoje tive um sonho estranho.

Quem é anti-crepúsculo vai torcer o nariz, franzir o sobrolho e abanar a cabeça negativamente, por isso preparem-se: eu era a Renesmee. Eu, que não sou loira, nem super bonita, nem tenho caracóis perfeitos. Eu, que nem sequer gosto desta personagem. Eu, que gosto muito mais do Edward do que do Jacob. A história não era exactamente igual à original: eu não era filha da Bella e do Edward, acho que era irmã dela. Disto eu não tenho a certeza. Os meus sonhos são sempre tão impossíveis e imprecisos.

E o Jacob, que realmente tinha tido impressão natural por mim, odiava-me. A terceira e última pessoa que aparecia, era Rosalie (que a príncipio pensei que fosse a Victoria). Era exactamente Rosalie que nos tentava conciliar.

E eu amava-o. De verdade. Eu corria atrás dele de cada vez que ele me lançava aquele olhar e fugia de mim. Finalmente, eu consegui falar com ele. Estávamos debaixo de uma macieira e era quase de noite. Ele não me odiava. De uma forma confusa e estranha, ele achava que eu e o Edward estávamos juntos. No final, ele dizia que me amava e beijava-me.
E puff, assim acabou o sonho perfeito.

I know, too much stupid, even for me.



Afinal

não. Se calhar sai só amanhã ou depois. Ou no outro dia a seguir. Deixem lá isso.

28.01.09

17. Desculpa. Eu. esqueci-me. dos. teus. anos. Desculpa, desculpa. Ah, pois: parabéns. Mas é que ainda estou meia abananada. Aparvalhada. Todos os sinónimos que o Word me dá. Eu não me queria esquecer. Eu não podia. Não que tu alguma vez vás ler isto. Não que tu alguma vez te lembres de mim sequer. Mas eu não...

sábado, 30 de janeiro de 2010

Amanhã


vai aparecer uma entrevistazeca minha neste queridinho jornal. De uma coisa que nem me orgulho sequer. Mas pronto, parece sempre bem dizer que vamos ter uma reportagem dedicada a nós e mais a umas cinco ou seis pessoas por um jornal publicado a nível nacional.

Então estás a gostar do teu curso?

É a pior pergunta que me podem fazer. Eu não me dou ao trabalho de mentir. Apenas faço um grande favor às pessoas: encolho a resposta. A resposta longa, extensa, e secante que daria seria qualquer coisa do género 'Não, não estou a gostar. Em seis cadeiras, gosto de duas se tanto. E nem quero ver o próximo semestre, já para não falar do próximo ano e do outro. Bem, isto é, se lá ficar até ao fim. Para não falar de que não tenho assim tantos amigos lá como isso. Falo com umas cinco pessoas, o resto limita-se a bom dia e boa tarde. Ah, e ainda há a minha mãe que se me ouve a falar nisto fica passada e começa a dizer coisas sem sentido mas dá para perceber que detesta a ideia de eu desistir no fim deste ano lectivo. Mas pronto, tirando isto tudo, está tudo óptimo, está tudo bem.'
Eu limito-me a responder 'está tudo óptimo, está tudo bem', e acrescento um sorriso no final. Assim, as pessoas acreditam e eu também finjo que acredito em mim própria. Assim, fica tudo bem para toda a gente.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Hoje abocanhei literalmente uma cabeça inteira de pai natal de chocolate. Não me parece que seja um bom sinal.

domingo, 24 de janeiro de 2010

Deixa-me só ir ali durante uma semana ou talvez um ano

Há momentos em que enchemos. Até cima. Como se fôssemos um grande barril e deitassem para lá tudo o que calha. Como o discurso de Ryan em Up In The Air. É como se tivéssemos uma grande mochila e a fôssemos enchendo. Com tudo. Com pequenos objectos, com grandes objectos, com pessoas. Com toalhas e lençóis, carros e casa, com o pai e a mãe, com o melhor amigo, com o namorado (bem, no meu caso teria a minha mochila um pouco mais leve neste ponto). E depois tentássemos andar com ela.
A semana passada foi das melhores da minha vida. Passei o dia em casa a ver FoxLife, fui duas vezes ao cinema. Levantei-me e deitei-me às horas que queria. Não estudei apesar de ter exames próximos. Fiz questão de pensar o mínimo nisso possível. Falei pouco com pessoas. Tirei férias de tudo. De tudo. Pus a cabeça em águas de bacalhau e o corpo no sofá.
Mas, e principalmente, absorvi tudo o que quero viver daqui a alguns anos. Ter uma casa, um carro, um namorado decente, falar com a minha mãe uma vez por dia e apenas durante dez minutos, o metro, a cidade, as luzes.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Lista de filmes que eu quero (vou) ver este ano IV

Avatar. (visto (; )
Eclipse.
Up in the Air. (visto (; )
Remember Me.
The Time's Traveler Wife.
Alice in Wonderland.
A Bela e o Paparazzo.
Harry Potter.
The Road. (visto (; )
Valentine's Day.
Bright Star.

Shrek - The Final Chapter.

Up In The Air (Nas Nuvens)







We're not swans. We're sharks.

Bem, primeiro há a dizer que o meu irmão odiou. Sim, odiar, ele próprio o disse, apesar de ter passado metade do filme a dormir. A minha cunhada gostou com um encolher de ombros e a minha irmã gostou com um sorriso franco. Eu adorei. Mais que The Road e muiiito mais que Avatar (que tenho reparado ultimamente que estou a desenvolver um sentimento de repulsa cada vez que se fala nele). No meu top de filmes fica provavelmente situado no mesmo patamar de Inglorious Basterds.
Os diálogos são bestiais, inteligentes. George Clooney não é apenas um simples galã, ele está um máximo. E Anna Kendrick wow. Quanto ao argumento, fantástico também. Crítica social, solidão, e a tão afamada crise.
É claro que não foram só coisas boas. Por exemplo, a Natalie a chorar como um bebé (literalmente) foi das cenas mais dolorosas e embaraçantes. E o próprio filme era um pouco grande demais. O casamento, por exemplo, não era pior se fosse reduzido.
No entanto, deve-se ir ver sim. De 1 a 10, provavelmente 8,5.

E pronto, já chega de crítica, que ninguém quer saber o que eu acho, pois é? Pois é.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Ele é quase perfeito, mas... II

Aviso prévio: visitar este link antes.

Já está? Boa, agora já posso continuar.
Há mesmo pessoas ingénuas, just like me. E, não querendo cair no chiché, os homens são todos iguais. Pronto, é a verdade. Serem muito simpáticos? Esqueçam, é tudo uma farsa. Quando estão solteiros só pensam numa coisa: arranjar alguém para dar umas voltinhas. E se uma não serve, ora bolas, há mais um milhão no mundo para conquistar. E há de muitos tipos, por isso, para eles nunca há falta. São falsos. São falsos e ponto final.

Cara lavada

Novo visual graças à D. Obrigada, fico a dever-te uma, mas não necessariamente em estética, nao te preocupes.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

E por falar em problemas...

But we're never gonna survive, unless...We get a little crazy.

Cadeiras matriculadas no ínicio do ano: 6.
Cadeiras imediatamente delegadas para o exame de recurso: 1
Cadeiras feitas sem ser necessário ir a exame: 2
Cadeiras feitas em exame de época normal: 3
Cadeiras que até agora já sei que precisam de ir a recurso: 2
Cadeiras totais que necessitam ir a recurso: 4
Cadeiras totais feitas: 2

Probabilidades de isto acontecer: muitas.
Confirmação do mau sucesso: 8 de Fevereiro.

Isto.

Hoje acordei a pensar neste bloguezinho. E porquê bloguezinho? Porque é uma coisinha sem jeito nenhum, que só fala de futilidades(zinhas) e de problemas, aliás, de problemazecos. É por isso que é um blog condenado ao anonimato com uma única leitora: eu própria.
É por isso também que resolvi dar o endereço à minha irmã, uma decisão que me vou arrepender, parece-me. Mas pelo menos assim isto sempre fica com duas leitoras, o que é melhor do que só uma.

The Road (A Estrada)

Um filme que eu preferia não ter ido ver. Não me interpretem mal, eu adorei. Mas o filme é forte. Tanto serve para nos encolhermos na cadeira e taparmos os olhos para não ver o que vai acontecer, e nesse aspecto a música está excelente, como para ficarmos com as lágrimas ao canto do olho várias vezes durante o filme.
É daqueles filmes que no fim ficamos a pensar: 'raio, deus queira que isto nunca aconteça ou estamos feitos'. É também um filme muito parecido com o 'I Am Legend' com o Will Smith em que a humanidade fica refém do canabalismo. Parece-me que isso também vai sendo cada vez mais uma certeza em cenários de catástrofe.
Ah, e por favor, dêem um óscar ao miúdo. Simplesmente fantástico.

Lista de filmes que eu quero (vou) ver este ano III

Avatar. (visto (; )
Eclipse.
Up in the Air.
Remember Me.
The Time's Traveler Wife.
Alice in Wonderland.
A Bela e o Paparazzo.
Harry Potter.
The Road. (visto (; )
Valentine's Day.
Bright Star.

sábado, 16 de janeiro de 2010

C.

O C. é aquele tipo de rapaz que é um fofo. Que faz uma festa quando me vê. Que me dá um abraço apertado por ter saudades minhas. Que me atura já a noite vai longa. Que me dá conselhos. E que não me deixa desanimar. E que, acima de tudo, não gosta de mim. É isso que o quase torna perfeito. Sim, o C. tem namorada. Como diz a D. (a best) 'só nao te apaixonas por ele porque ele é mesmo feio'. E a pena é que é. É mesmo.
O C. é daqueles amigos que eu sempre quis ter. Não tenho o e-mail dele sequer. Tenho o número e a última mensagem que trocámos foi de Natal. Não precisamos de estar sempre em contacto. Não precisamos daquela necessidade de sabermos que estamos ali. Estamos ali um para o outro e sabemo-lo. E é isso que me faz gostar tanto dele.

A sério, o meu pai conhece um senhor que é psicólogo


(Clara Pinto Correia. E esta não é a pior foto da sua recente exposição)
E se o tal senhor não funcionar, há sempre psiquiatras e se for preciso ideias mais radicais há hospitais para isso. Ali o Sobral Cid dizem que é muito bom.


domingo, 10 de janeiro de 2010

Avatar



Efeitos: perfeito. Cor: perfeito. Actores: perfeito. Banda sonora: perfeito. 3D: perfeito. Enredo: pois, aqui é que se estraga tudo. A história é tão clichézinha. O bom da fita que tem uma missão de traição mas depois acaba por se apaixonar e não consegue completar essa mesma missão e volta-se contra quem lhe mandou e fica com quem devia trair. Confuso? Não, nada mesmo. Já sabemos o que vai acontecer depois de vinte minutos de filme. E é isso mesmo que mete pena. É um filme estar tão bom em todas as outras coisas e depois falhar no principal. Bolas. E é também por isso que eu vou ser crucificada (pelos não-leitores deste blog, dado que não tenho nenhum AHAHAH) por dizer isto: não acho que mereça o óscar. Continuo a achar o Inglorius Basterds (Sacanas sem Lei) melhor. Porque para mim o enredo continua a ser o mais importante.

Lista de filmes que eu quero (vou) ver este ano II

Avatar. (visto (; )
Eclipse.
Up in the Air.
Remember Me.
The Time's Traveler Wife.
Alice in Wonderland.
A Bela e o Paparazzo.
Harry Potter.
The Road.
Valentine's Day.

Bright Star.

Bolas, grr.

E pronto, a minha irmã acabou de descobrir que tenho um blog. Detesto. Eu juro, desta vez tinha feito tudo bem, tinha sempre terminado a sessão, nunca tinha escrito ao pé dela, muito menos no computador dela.
Mana, se estás a ler isto não me venhas comentar ao vivo os meus posts está bem? Eu prefiro continuar a fingir que tu (e todos os da minha bendita família) não sabem da existência desta páginazeca onde exponho os meus segredinhos, que vamos a ver são nulos, mas ainda são meus.

Desistir

Acabei de saber que dois dos caloiros (que um nunca falei e o outro aturei uma bebedeira no primeiro jantar de curso e não nos voltámos a falar) desistiram do curso. Não são os primeiros. Antes disso já tinha havido uma outra rapariga que lá está, eu também nunca tinha falado e o D. que curiosamente fiquei mais amiga dele depois de ele mudar de curso do que nos quinze dias que estivemos no mesmo. E ainda há a M. com quem eu simpatizei bastante no início, também mudou na 3ªfase para Direito.
Sempre achei que desistir não era a melhor opção. Talvez em situações extremas sim, vá. Mas um vá muito grande. Desistir implica sempre qualquer coisa que não foi bem pensada.
E eu própria já pensei nisso. Mas não. O meu sonho também não é este, mas quando se tem sonhos muito mais altos precisa-se sempre de um chão. E o meu chão é este.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Lista de filmes que eu quero (vou) ver este ano

Avatar.
Eclipse.
Up in the Air.
Remember Me.
The Time's Traveler Wife.
Alice in Wonderland.
A Bela e o Paparazzo.
Harry Potter.
The Road.
Valentine's Day.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Hoje rendi-me ao sentimentalismo

Anda, vá, vem comigo, não tenhas medo. Eu sei que é a tua missão de me protegeres, mas não tenhas medo. Eu pego-te na mão com força e não te deixo ir. Não te vou deixar ir. Não vou.
E, fica comigo. Fica. Por favor.

sábado, 2 de janeiro de 2010

E já agora

vou deixar-me de lamúrias e dedicar-me ao trabalho do corante que me calhou na rifa e estudar para bioquímica para ver se ao menos tenho sucesso em alguma coisinha.

Apercebi-me agora mesmo

que 95% dos meus posts são sobre rapazes. Credo, como eu estou desesperada.

Bye bye 2009

Provavelmente o melhor ano da minha vida, e mesmo assim uma bosta. Nem um namorado, nada. Nem um único beijo. Isso é sequer possível? Hum, realmente eu achava que não, mas ao que parece para mim, é. Será que é este ano que eu vou finalmente ser feliz? Continuo a achar que não, mas parece melhor se eu disser que sim. Afinal a esperança é a última a morrer.
Eu não sou assim tão feia, i hope. Por isso é este ano, sim? É este ano.
Esta é a minha resolução para este ano: ter um namorado decente por algum tempo. Não é pedir muito certo?

Aos 25

Passei a meia-noite de 7 em Budapeste com uma das minhas melhores amigas e foi o melhor dia de anos de sempre. Entre almoçar McDonalds e jan...