domingo, 28 de fevereiro de 2010

Afinal o sistema ainda funciona

Rapaz A conhece rapariga B e rapariga C. Rapaz A tem imediatamente empatia com rapariga B e um bocadinho menos empatia com rapariga C. Rapaz A torna-se melhor amigo de rapariga B e amigo de rapariga C. Rapariga C descobre passado algum tempo que rapaz A e rapariga B namoram às escondidas, e fica triste, não por namorarem mas por fazerem segredo dela. Rapaz A começa a tratar mal rapariga C talvez porque rapariga B tenha ciúmes. Rapariga C começa a responder mal a rapaz A. Rapaz A repara e pede desculpas a rapariga C. Rapaz A começa a dar graxa a toda a hora a rapariga C.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

AHAHAHAH


AHAHAHAH. Ahahahahahah. Esperem, tenho de me rir, mais um bocadinho. Ahahahahahah. Desculpem, eu vou-me tentar conter. Ahahahahahah. Pronto, ja chega de rir. Ahahahah. Pára, Buu, as pessoas querem saber se vais dizer alguma coisa de jeito ou não. Ah, desculpem.

Com que então tu achas, meu querido ódio fofinho que eu estou apaixonada por ti? Bem, só pode, porque da maneira grosseira que me tentas fazer ciúmes com a tua namorada (que é bem gira, por acaso). Nem eu sabia que provocava assim tanto desconforto em ti. Não te preocupes, estás seguro com ela, eu não te vou atacar. És como uma criança com medo que lhe tirem o chupa-chupa mas que faz inveja por o ter. Aliás, és como uma criança, ponto. És tão engraçado.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Eu queria, juro que queria.

Juro que queria estar apaixonada. Por alguém. Por uma pessoa vulgar aos olhos de todos, invulgar aos meus. Por alguém que com um simples olhar me queimasse por dentro, como se o ar que respirássemos fosse a combustão desse fogo. E não queria sentir as borboletas no estômago, mas ser habitada por milhares de bichos que se agitassem sempre que sentissem a sua presença. Juro que queria estar apaixonada.

(se ao menos estivesse apaixonada, escrevia textos bonitos como este todos os dias.)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Bichos do meu rico mundinho #1

(eu adorava conseguir pôr aqui uma fotografia, mas o Blogger deve estar meio chateado comigo.)

A partir de hoje começo aqui uma nova rubrica, o Bichos do meu rico mundinho. A partir de hoje, todas as terças-feiras às 21:00 (que hoje sai um bocadinho mais tarde) vou-vos deixar aqui a história de alguém que eu conheça que ache que mereça ser contado à blogosfera. Não se preocupem, vão perceber quando começar. Portanto de que é estou à espera? Realmente, de nada.
Hoje apresento-vos The Lady in Purple e The Lady Who Thinks to Be Very Confident But Is Not. (porque é que escrevi os nomes delas em inglês? porque soa melhor.)

A Purple Lady e a Not So Confident Lady são as melhores amigas. Ou assim pensam elas. Conheceram-se na universidade, tal como eu a elas. A primeira tem sempre alguma peça de roupa roxa. Ou o casaco, ou as calças, ou a camisola, ou os brincos, ou até a roupa interior embora eu nunca tenha visto. A segunda tem roupa muito variada, mas igualmente muito cara. A primeira usa sempre sombra roxa, a segunda não usa sempre sombra, mas sempre que usa é de cor roxa.

A Purple Lady é daquelas vendedoras da Yves Rocher. Anda sempre com o catálogo atrás, sabe todos os preços de todas as gamas (palavra que ela própria faz questão em utilizar) mas que olha para nós com estranheza sempre que aceitamos pegar no livrinho. É muito branquinha e faz um ar muito empertigado quando fala. Fica muito coradinha e faz questão de ser muito convencida também. Gosta muito de mandar bocas mas detesta recebê-las.
A Not So Confident Lady é uma convencida nata. Passa o tempo a falar dela, e de como passou com muito boa nota à pior cadeira do primeiro semestre, e de como foi operada ao pé e de como isso fez com que parasse de fazer ballet, que já fazia desde os seis. Adora exibir a sua roupa cara e as suas carteiras que custaram sessenta euros. Não é muito bonita. Mas também não é muito feia. Tem namorado, também ele não muito bonito. Namorado este que nunca o ouvi a dizer uma palavra. Tal como a Purple Lady adora (mais do que ela, provavelmente) mandar bocas. Aliás, adora dizer que somos todas feias e que só ela é que é bonita. Aí está, adivinharam, é por isso que ela não tem assim tanta confiança nela. Tem uma necessidade extrema de rebaixar os outros a toda hora.

Mas, se há coisa que realmente me admira é como é que a The Lady in Purple e a The Lady Who Thinks to Be Very Confident But Is Not, têm muito mais amigos que eu, e mesmo que não sejam verdadeiros, têm de certeza mais conversa que eu para todos eles.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Tenho sono.

Tenho sono. Tenho sono e quero ir dormir. Tenho sono, quero ir dormir e sonhar contigo.

My own stupid fairytale

Sou uma tontinha. É a isso que eu me resumo. Daquelas miuditas que acham que o príncipe encantado vem num cavalo (não necessariamente branco) salvar a donzela - ou seja, eu - da sua horrível situação, quer seja no cimo de uma torre, quer seja simplesmente da casa dos pais.
As minhas relações semi-amorosas (eu nunca tive nenhuma a sério, daí o semi) começam sempre como um conto de fadas. Quer seja num autocarro, numa mercearia ou num cinema (e não estou a inventar nada) acho sempre que é esse o rapaz que se intitula como a 'alma-gémea' do meu estúpido coração. E se não for por aí, também temos sempre outras situações típicas como eles odeiam-se e depois começam-se a amar ou eles já se tinham conhecido há algum tempo e nunca se tinham visto de verdade.
A minha vida dava um livro. Mas daqueles rascos. O fim? Isso até eu gostava de saber.

Se há coisa que realmente me irrita

é ter ido para Londres um dia depois da premiere de Valentine's Day e vir de lá uma semana antes dos BAFTA.

Essa coisinha fofinha e queridinha intitulada karma

Eu sei, eu sei, já estou fartinha de falar nele. Mas ainda estou para perceber o que lhe fiz para ele ser assim. Como diz a D., o meu karma está amuado comigo porque só digo mal dele. Talvez seja por isso que me proporcione uma série de encontros com quem eu menos quero e que não proporcione nenhum com que eu quero.
Pronto, então se é assim, não fiques chateado comigo karma. Está bem? Óptimo, eu não volto a dizer mal de ti. Oh, tão fofinho que ele é. Pois é, pois é? É a coisinha mais queridinha da mãmã, pois é? Bilu, bilu, bilu.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Bof.


Acabei de descobrir que o meu cabelo é igualzinho ao da Kate de Lost. Da Kate, não da Evangeline Lilly. Isto até podia ser bom, se ela não estivesse há não sei quantos anos numa ilha com condições miseráveis e se eu não vivesse numa casinha simpática em que lavo o meu cabelo pelo menos dia sim dia não.


PS: O post sobre Londres virá, mas só quando o meu querido irmão me trouxer a minha máquina fotográfica que tem a fotografia perfeita para o ilustrar.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Este é só um texto para um dia que não devia existir

'Fiquei admirada quando Jacob referiu a data, num dos dias dedicados aos trabalhos de casa. Esperava-me, quando encostei em frente de sua casa.
- Feliz Dia dos Namorados - exclamou Jacob, a sorrir, baixando, de imediato, a cabeça ao saudar-me.
Exibiu uma pequena caixa cor-de-rosa equilibrado-a na palma da mão. Eram doces em forma de coração.
- Bem, sinto-me como uma idiota - murmurei. - Hoje é o Dia dos Namorados?
Ele abanou a cabeça com uma falsa tristeza.
- Às vezes consegues mesmo alhear-te do mundo. Sim, é dia catorze de Fevereiro. Vais ser minha namorada? Já que não me compraste uma caixa de doces que custa cinquenta cêntimos é o mínimo que podes fazer para retribuir este meu gesto.
Comecei a sentir-me pouco à vontade. Aquelas palavras eram pronunciadas num tom de gracejo, porém só aparentemente.
- O que implica ao certo? - perguntei, tentando não me comprometer.
- O costume: ser escrava para o resto da vida; esse género de coisas...
- Ah, pronto, se é só isso...
Aceitei os doces, pensando numa forma de redifinir os limites, mais uma vez. Pareciam ter tendência para se confundirem, com bastante frequência. ' Bella e Jacob - Lua Nova

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Promises

Amanhã vou experimentar. Juro. Quando voltares a olhar para mim com o olhar de ódio que só tu sabes fazer eu não vou baixar a cabeça. Não vou fazer o sorrisinho envergonhado que faço sempre. Não vou pensar ‘o meu karma é o pior do mundo’. Amanhã vou estar ansiosa. Não vou fugir de ti como sempre. Não vou corar. Não me vou deixar intimidar. Não vou fingir que as faíscas que vemos no ar sempre que estamos os dois são sinal de mau ambiente. Não são, e tu sabe-lo. Talvez seja por o saberes que me odeias tanto. Talvez porque te abane as ideias que tinhas pré-concebidas. É por isso que amanhã te vou retribuir. Talvez as faíscas dupliquem. Talvez desapareçam para sempre.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Ódiozinho fofo

'Go ahead and hate on me hater, I’m not afraid of, what I got I paid for, you can hate on me'

É certo que toda a gente conhece alguém que não gosta. Mas ter alguém que se odeia não é para todos. Não se enganem, eu não sou rancorosa, mas este deixa-me fora de mim. É um ódio sem explicação. Não se trata de uma rapariga que por acaso podia gostar o meu tipo que eu. Não. Aliás, nem sequer se trata de uma rapariga. É um rapaz. Não, ele não me traiu, podem parar de tentar adivinhar. Como eu já disse, não há explicação possível.

Ele olha para mim de uma forma, bem, um tanto ou quanto esquisita. Como se me odiasse. Olha-me fixamente obrigando-me quase imediatamente a baixar o olhar quando nos cruzamos. É estúpido, eu sei bem. Portanto, se ele me odeia, eu infantilmente odeio-o também.

A coisa pior: o meu ódiozinho fofo é giro. E pelos vistos também é convencido.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Problemas (quase) resolvidos

I almost survive, so i guess i got a little crazy.

Cadeiras matriculadas no ínicio do ano: 6.
Cadeiras totais feitas: 5.
Cadeiras deixadas para o próximo ano: 1.

Probabilidades de isto ter acontecido: muito muito poucas.

Menos mal, não me queixo.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A Bela e o Fotógrafo Todo Giro, ai não, ups, A Bela e o Paparazzo


Eu tinha uma grande responsabilidade em cima. A minha irmã, que tem um gosto super gourmet em filmes ia comigo. E ter aquela pressãozinha ao lado durante hora e meia nem sempre é a coisa mais agradável. Mas, felizmente, não havia razão para tanta aflição. O filme foi óptimo.


Não é um filme que nos dá uma grande lição de vida e que nos põe a pensar. É um filme simples que resulta. Aliás, um filme português que resulta. Foi o segundo filme português que vi no cinema. O primeiro, chamado 'Second Life' foi o que o A. aqui há uns tempos diria uma 'ba-ba balente porcaria'. Este teve tudo o que o primeiro não teve. Acção, principalmente.


Personagem preferida: Tiago, encarnado por Nuno Markl. Simplesmente hilariante. Segunda personagem preferida: João, interpretado pelo Marco D'Almeida. Humm, como eu gosto de homens que de alguma forma não estão bem na vida, que nos fazem rir (e chorar), que amam verdadeiramente as suas mulheres, que são uns fofinhos, que sabem tirar fotografias lindas, que têm um cão cutxi cutxi. É um destes que eu quero quando for grande. Já falando da Soraia Chaves, não gostei. Aliás, detestei. Não a acho minimamente natural, bah bah bah. E não estou a dizer isto porque ela é toda gira. Não gostei, pronto.


Nota final do filme: 7,5.

Lista de filmes que eu quero (vou) ver este ano V

Avatar. (visto (; )
Eclipse.
Up in the Air. (visto (; )
Remember Me.
The Time's Traveler Wife.
Alice in Wonderland.
A Bela e o Paparazzo. (visto (; )
Harry Potter.
The Road. (visto (; )
Valentine's Day.
Bright Star.
Shrek - The Final Chapter.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Eu sou um bicho. Feio e mau. Talvez seja por isso que este bicho nunca tenha encontrado outro bicho para namorar. Sou um bicho que gosta mais de andar sozinho que acompanhado. Sou um bicho que gosta de olhar pela janela e imaginar como podia ser o seu futuro mas não é. Sou um bicho que está a perder todos os seus melhores amigos. Um a um. Sou um bicho que tem os olhos tristes mas que finge na perfeição que está feliz. Sou um bicho egoísta. Sou um bicho que pensa demais.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

It's all about karma

'We rip what we sow. What goes around comes around. It's karma. And, anyway you slice it, karma sucks. But one way or another our karma leads us to face ourselves. We can look our karma in the eye or we can wait for it snick at us from behind. One way or another our karma will always find us. No matter how hard we try, we can't escape our karma. It follows us home. I guess we can't really complain about karma, it's not unfair, it's not unexepected, it's just... counts the score. ' George O'Malley - Anatomia de Grey

Está bem, mas e se posso fazer esta pergunta: o que é que eu fiz para merecer este karma?

Londres

Falta uma semana. Deixem lá isso, a inveja é uma coisa feia. Que tal boa viagem?

Aos 25

Passei a meia-noite de 7 em Budapeste com uma das minhas melhores amigas e foi o melhor dia de anos de sempre. Entre almoçar McDonalds e jan...