sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

2010, 2010

Afinal, afinal as resoluções sempre se concretizam.

O melhor ano da minha vida. E muito assim de longe. Foste um ano solidário comigo 2010. Deste-me o que nenhum ano me tinha dado até agora. Uma maturidadezita que veio com os 18, a noção da realidade com a tão falhada candidatura a teatro, o apaixonar-me por Lisboa. Mas, e mais que tudo trouxeste-me alguém para amar. E alguém que me ama. E se isso não é só a melhor coisa do mundo, então não sei o que é.

Ah! E quanto a resoluções? Já que elas se concretizam... que tal ganhar o euro-milhões? Pronto, pronto, não querendo abusar da sorte, que tal... ser assim muito feliz contigo?

terça-feira, 28 de dezembro de 2010



Acabado de ler, só me apetece dizer o seguinte: este livro é tão mas tão maravilhoso.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

é que irrita-me mesmo.

E já que estamos numa de bloguices, se há coisinha que eu detesto é a existência de certos que são autênticas farsas. De pessoas que eu conheço com estes olhinhos que Deus me deu e que se fazem passar por outras. É que uma coisa é criar um blog e encarnar uma personagem, outra é dizer que se é assim, usar-se o nome, pedir opiniões que na realidade cairiam no ridículo, fazer comparações que não lembra a ninguém, contar histórias inventadas! Quando eu sei que não é. E é que isto não é um blog anónimo (assim como o meu, que está aqui num cantinho da blogosfera e não incomoda ninguém) não. O blog a que me refiro tem bastantes seguidores (duas ou três centenas creio eu) completamente crentes na existência de tal pessoa. Santo Deus me dê paciência para estas coisas. E se eu fosse uma pessoa corajosa dizia quem era e pronto acabava-se o conto de fadas. Mas sou uma coninhas e fico calada.

desculpem, eu sei que não perceberam nada do que disse, mas estava a precisar de deitar isto cá para fora.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

olhe, fachabôr

é uma coisinha destas aqui para o sofá para ver se me dá vontade de ir estudar para os exames, pode ser? Obrigada.

domingo, 19 de dezembro de 2010

e é assim que um mês passa a voar.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

o que o excesso de frio faz às pessoas

A best chega a Portugal (weeee), e olhem lá umas das primeiras frases que me diz:

'o piloto no avião disse que cá estavam 5º graus, estava à espera de mais. Mas lá também não estava muito frio, só estavam uns cinco negativos'


quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

nostalgia de bolso.

Nestes dias que antecedem o Natal - em que devia ficar feliz e cheia de espírito natalício - fico sempre do mesmo jeito. Já me conheço. O famoso espírito só me atinge dois dias antes de 24, e é quando é tão cedo. Em vez de cantar 'All I want for Christmas is you' e pensar em casacos quentinhos, cachecóis, lareiras, árvores bonitas, luzes, (publicidades bonitas da Coca-Cola), fico sempre nostálgica, saudosista.

De momento, está-me a atingir e de que maneira, a falta de amor que tenho ao meu curso. Ao curso, aos professores, às cadeiras, às pessoas, à praxe, a Coimbra. Não me interpretem mal, gosto muito de Coimbra, mas a cidade é como família. E pela família temos amor incondicional. Está-me a fazer falta a novidade, a descoberta, sítios novos para ir, caras novas para ver, coisas que eu queira de facto aprender. Está-me a fazer falta uma cidade que me apaixone e que eu acorde todos os dias com um sorriso só porque vivo nela.

A verdade é que não sinto que nada daquilo seja meu. Não me sinto propriamente especial quando passo pelas portas do meu departamento, quando vejo os azulejos azuis da parede que já sei de cor, quando me sento nos bancos do corredor, quando entro no bar minúsculo, quando me sento na esplanada a apreciar o sol, quando me sento nos bancos giratórios dos laboratórios, quando foco o microscópio. Nada daquilo é meu. O traje - a capa e batina, para ser correcta - é bonito e gosto do vestir. Gosto de fazer parte da vida académica, mas sinto-me sempre uma intrusa. Nada daquilo me pertence.

Acima de tudo, não sinto que esteja a aproveitar cada dia como é suposto.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010


Sabes que tens o melhor namorado do mundo quando ele atravessa a santa terriola de um lado ao outro, de noite, a pé, só para te ver uns minutinhos - porque é de noite e os teus pais não podem descobrir que saíste de casa - porque está cheio de saudades tuas ♥

sábado, 11 de dezembro de 2010

E é quando me perguntam três vezes com um ar incrédulo 'tu tens namorado?' que eu conto até dez e respiro fundo. Às vezes não me fazia mal nenhum explodir e dizer umas verdades, mas sou sempre uma cobardezinha e fico calada a fazer um sorriso amarelo.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

- Tu gostas de mim, certo?
Ele acenou com a cabeça e respondeu um 'gosto' claro e sincero.
- Muito?
- Sim. - voltou a responder com um suspiro e com um olhar de 'é-tão-óbvio-que-és-uma-tonta-em-me-estares-a-perguntar'.
- E não te fartas de mim?
- Não. – respondeu ainda num sorriso e num olhar de ‘isso-é-capaz-de-ser-uma-coisa-impossível-nos-próximos-tempos’. – Porque é que havia de… - e o resto da frase ficou entregue ao silêncio.
- O que eu te queria dizer é que... É que te amo. Muito. - despejei com uma velocidade terrível.
Ele olhou para mim com um olhar divertido.
- Não percebi nada do que disseste.
- Ohh.
- Não estou a gozar, diz.
- Estava a dizer que... te amo muito, mas tu estragaste o momento.
A cara dele tornou-se afável e fez um sorriso. Aquilo tinha-lhe agradado. No entanto, ele estava confuso.
- Tanto tempo, quase uma hora... para conseguires dizer isso?
- Só digo às pessoas importantes.
- Oh, está bem.
Fez-se um silêncio. Não daqueles constragedores. Os silêncios com ele nunca são constrangedores.
- Eu amo-te T. - rematou ele, por fim.

sábado, 4 de dezembro de 2010

e que saudades tenho eu do secundário e de quando todas as disciplinas eram razoavelmente simples e fáceis e quando eu até gostava das estudar.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

e ainda numa maré de meter nojo a muita gente...


desculpem lá, mas parece que isto veio para ficar ♥

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

zombies

Há pessoas que nós pensamos que já estão enterradas e que não voltam à vida. Pois é mentira. São zombies, e como tal, nunca morrem.

Ora pois este meu amigo, já vosso conhecido, revelou-se ser assim. E mais que zombie é uma pequena besta egoísta. A querida namorada fartou-se dele e então quem é que ele achou que estaria sempre aqui para ele? A vossa querida Buu. Ora a vossa querida Buu fez o favor de nem lhe responder. Afinal, anda feliz demais para se importar com mortos-vivos.

Mas uma pessoa egoísta há-de ser sempre uma pessoa egoísta e ele não desistiu. Ah ela não quer nada comigo? Então tentemos com a melhor amiga. E assim foi. Esta besta não sabe estar sozinha. E eu detesto - simplesmente detesto, faz-me uma espécie dos diabos - pessoas assim. Que não gostam do outro, gostam apenas da companhia.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Mood: in love.

E nem sequer me importo com o frio, com estar doente, com o meu joelho que está negro e verde e de todas as cores, com o monte de trabalhos que tenho de fazer, com a frequência de terça que vem, com o facto de o meu irmão descobrir, com outras raparigas invejosas que até são giras. Não me importo nada. Para já - e durante uns bons tempos - sou só sorrisos e felicidade. E sabe tão tão bem.

inserir aqui uma qualquer música toda pirosa ao gosto do leitor. sugestões? para já e assim de repente estou-me a lembrar de 'o amor é mágico' dos Expensive Soul - lá lá lá ♥