quinta-feira, 26 de maio de 2011

Sou uma estranha na minha terra. Os meus pais não eram de cá, chegaram pouco antes do nascimento do meu irmão mais velho. Depois dele vieram mais três, inclusive eu. E nós quatro sempre o soubemos: não pertencemos aqui. O que é bom. Assim, não somos de lado nenhum. O meu irmão mais velho está a viver numa ilha. Se é de lá? Não. Mas também não era daqui. A minha irmã mais velha também fugiu daqui assim que pôde, assim como o meu irmão seguinte. É, deixaram comigo - com a miúda da irmã mais nova - a tarefa difícil de deixar os meus pais sozinhos numa casa enorme que um dia já foi cheia de gente. De tempos a tempos a casa volta a encher-se. Com apêndices e risos de crianças. A minha mãe de vez em quando também sai daqui. Talvez tenha chegado à mesma conclusão de nós. Que não somos de cá.
Quando digo que não quero viver aqui, nem arranjar trabalho, muito menos constituir família, nem a vinte, nem trinta, nem cinquenta quilómetros de distância as pessoas não percebem. Nem os meus amigos, ninguém. Ninguém percebe. Acham que eu tenho a mania que sou superior. Ou arrogante. Ou que não me sei reduzir à minha insignificância. Porquê? Porque os pais deles moram nesta santa terra desde pequenos. E os avós também. E os pais dos avós. E os pais dos pais dos avós.

Eu não. Eu não sou de cá. Nem quero ser.

Sem comentários:

Lá vou eu, a alta velocidade

Meses a ansiar por Junho e Junho chegou. Possivelmente um dos meses mais stressantes da minha vida, onde vi as minhas maiores olheiras de se...