sábado, 6 de agosto de 2011

da sorte

E assim, com um dia perfeito como o de ontem, percebi: eu não tenho azar. Ontem percebi porque é que tudo me acontece, porque é que tropeço em todo o lado, porque é que caio de escadas rolantes, porque é que cães me roubam as sapatilhas, porque é que me levanto cedo de manhã e chego ao sítio passado quase duas horas e descubro que está fechado, porque é que o meu instrutor do código é tão mau que fala sobre pneus durante uma hora e meia seguida. É porque, inconscientemente, eu não gasto as minhas reservas de sorte em coisinhas insignificantes. Estoiro-as todas nas pessoas que me rodeiam. Não quero saber do resto se tiver comigo as melhores pessoas. E acreditem, eu tenho. Tenho as melhores pessoas que me fazem uma surpresa tão grande e tão bem pensada que hoje estou com dificuldade em acreditar que aconteceu mesmo. Mas estou excepcionalmente feliz. Porque afinal sou muito sortuda.

1 comentário:

Maria Joana disse...

Ainda bem que a sorte é bem gasta :D Fico muito feliz!

Aos 25

Passei a meia-noite de 7 em Budapeste com uma das minhas melhores amigas e foi o melhor dia de anos de sempre. Entre almoçar McDonalds e jan...