quinta-feira, 26 de maio de 2011

Sou uma estranha na minha terra. Os meus pais não eram de cá, chegaram pouco antes do nascimento do meu irmão mais velho. Depois dele vieram mais três, inclusive eu. E nós quatro sempre o soubemos: não pertencemos aqui. O que é bom. Assim, não somos de lado nenhum. O meu irmão mais velho está a viver numa ilha. Se é de lá? Não. Mas também não era daqui. A minha irmã mais velha também fugiu daqui assim que pôde, assim como o meu irmão seguinte. É, deixaram comigo - com a miúda da irmã mais nova - a tarefa difícil de deixar os meus pais sozinhos numa casa enorme que um dia já foi cheia de gente. De tempos a tempos a casa volta a encher-se. Com apêndices e risos de crianças. A minha mãe de vez em quando também sai daqui. Talvez tenha chegado à mesma conclusão de nós. Que não somos de cá.
Quando digo que não quero viver aqui, nem arranjar trabalho, muito menos constituir família, nem a vinte, nem trinta, nem cinquenta quilómetros de distância as pessoas não percebem. Nem os meus amigos, ninguém. Ninguém percebe. Acham que eu tenho a mania que sou superior. Ou arrogante. Ou que não me sei reduzir à minha insignificância. Porquê? Porque os pais deles moram nesta santa terra desde pequenos. E os avós também. E os pais dos avós. E os pais dos pais dos avós.

Eu não. Eu não sou de cá. Nem quero ser.
o que é que eu hei-de fazer? gosto de ti e pronto.

domingo, 22 de maio de 2011

amanhã é o dia.

amanhã é o dia da frequência para 15 valores (!) disto aqui. E se eu quero ir limpar ossos com a professora que é só a melhor do país no verão tenho de tirar tão boa nota, mas tão boa nota que nem sei. Assim tipo 15 em 15 estão a ver? No mínimo 14 em 15. Rezem por mim rezem. Façam figas. É que isto é mesmo importante. Esta cadeira fofinha e queridinha é a única que pode fazer alguma coisa por mim neste terrível curso. Bolas, também tenho de ser boa nalguma coisa.

por hoje é só isto.

'É que ser cão é fodido. Os cães têm a mania de gostar das pessoas, os gatos têm a mania que as pessoas gostam deles. É por isso que o Amor circula como se fosse um cão, por ter a mania de gostar dos outros. Percorre os mesmos percursos das pessoas, de olhar cabisbaixo, à espera de uma festinha que lhe faça abanar a cauda. Quando isso não acontece mantém um olhar tão triste quanto o da Lua num dia de chuva. Grande mas sem brilho.'

pelo Bagaço Amarelo.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Eu tenho uma professora que é qualquer coisa

ou o que eu gostava de ser quando for grande. ou o que eu gostava de tirar alta nota na frequência de segunda-feira.

Então é assim,

resolvi ser uma maria vai com as outras e peguei no plano d' Pipoca Mais Doce e pus-me a correr. Só Deus sabe o quanto foi custoso. Era capaz de jurar que já perdi uns cinco quilos e estou aqui toda tonificada. Pois...não. Sábado de manhã há mais. Me-do.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

quinta-feira, 12 de maio de 2011

B Fachada

estive o concerto todo dos Diabo na Cruz (que fizeram a primeira parte do DF) a comentar com a Lu e com a Dri que 'aquele tipo da esquerda está completamente ganzado'. Acho que ganzado era dizer pouco. O tipo era mesmo alguém singular. Foi para palco com uns calções pequeninos que deviam ter sido cortados de umas calças de ganga dois minutos antes do concerto começar, e uma camisola grande dos anos 80 de cor rosa velho. A meio do concerto - o calor já devia estar a apertar - tirou a camisola e eis que surge uma camisola de pijama azul. De vez em quando lá fumava o seu cigarrito e bebia a sua cerveja. Tudo completamente normal. O estranho era que o tipo mesmo assim cantava bem e sabia bem quando é que tinha que fazer os coros.

No fim, quando o Jorge Cruz (pois o nome do vocalista) apresenta toda a gente é que me cai o queixo. Aquele é que é o B Fachada? É aquele? Pois não sabia.

terça-feira, 10 de maio de 2011

e hoje,

temos este senhor outra vez que nunca me cansa e quem vai lá estar (outra vez) à frente sei eu bem que é.

(e agora vou arrumar o quarto e fingir que estou em casa porque me apeteceu e não porque não tive com quem sair, e acima de tudo fingir que está tudo bem com isso)

sexta-feira, 6 de maio de 2011

anyway

hoje é o primeiro dia oficial da Queima das Fitas. E hoje sim, vai ser uma grande noite. Hasta!
não, a noite de ontem esteve bem longe de ser perfeita. e ouvir alguém que tenho em tão boa consideração dizê-lo tendo em conta as circunstâncias caiu mal. para mim, a noite não foi perfeita porque estive mais preocupada em cuidar de duas miúdas que desmaiaram, e principalmente estive mais importada com o bem-estar de uma delas quando a madrinha teve um ataque de pânico e desapareceu do mapa.

podia ter dito que o problema não era meu? podia. podia ter ficado lá a ouvir a serenata e que outras pessoas quaisquer tratassem da crise instalada? podia. mas simplesmente não teria sido eu, muito menos tinha ficado bem com a minha consciência.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

piscamos os olhos e, de repente, já passou um ano.

Sei perfeitamente como me sentia há exactamente um ano. Contava os dias para sair daqui. Sabia quantas semanas faltavam até à semana das férias da Páscoa, e depois quantas até à Queima, e finalmente quantas até aos exames que me levariam até às férias. Caminhava de cabeça baixa entre as aulas de física que sempre me deram mais sono que quaisquer outras e o meu departamento em que não conseguia encontrar ninguém com quem me identificasse. Não tinha qualquer propósito em levantar-me mas continuava a fazê-lo. Tinha decidido há pouco tempo candidatar-me à ESTC e mantinha a data das audições na cabeça. Era única coisa que me fazia querer com que o tempo passasse. Esse era o meu mais frequente pensamento. E dava por mim a rezar mentalmente para que conseguisse entrar. O meu mundo estava a precisar de um abanão, e, no meu entender, o abanão necessário era aquele. Estudava pouco, muito pouco. Chegava a casa e via o meu episódio diário de Anatomia de Grey. Pouco depois era jantar e deixava-me ficar as novelas que a minha mãe ainda hoje adora e depois ia dormir. No dia seguinte era igual, a rotina estava sempre presente. Sempre que fazia alguma coisa de diferente (como ver o PortugalxChina por exemplo) reagia com uma excitação exacerbada, era como se me acordassem brutamente do sono pesado que andava a viver.

Há um ano consegui sentir-me feliz em muito tempo. Vesti a minha capa e batina e foi provavelmente a primeira vez que senti que afinal aquilo tudo podia ser meu. Claro que se seguiram muitos dias em que achei que estava absolutamente errada, mas não é isso que estava em causa. No dia da minha primeira serenata nunca vi tanta gente de traje à noite na rua. Era como se tivessem feito uma festa privada e só quem estivesse vestido assim pudesse entrar. E no fundo é isso mesmo. Lembro-me tão bem de ter ficado emocionada quando a minha madrinha me traçou a capa. Eu tinha conseguido conquistar aquilo tudo, e fui invadida por uma sensação de vitória.

Hoje fico chocada com a rapidez com que o tempo passa. Não consigo sequer pensar que para o ano já vou em cima de um carro aos pulos e que depois pum!, já tenho uma licenciatura.

Hoje é o dia de traçar a capa à minha caloira – que o vai deixar de ser nesse preciso momento. E a esta hora estamos a duas - mais a Lu, a Dani, a Rititi e a Dii - à procura de um sítio no meio daquele mar de estudantes e vamo-nos sentir muito muito pequeninas. Sei que ela não sente nada em semelhante ao que eu sentia (ela está tão bem naquele curso como os peixes estão bem na água) mas sei que também vai ser muito importante. E fico estupidamente contente de tomar parte nesse pequeno pedacinho de história da vida dela.

chego a casa. sento-me no sofá, ligo a tv. ponho o cobertorzinho nas pernas e fecho os olhos a pensar na imensidão de coisas que ainda tenho de fazer até às sete da tarde. abro os olhos e presto atenção ao televisor:

a Judite de Sousa é casada com o Fernando Seabra??

(who cares? Logo à noite é a Serenata Monumental e isso é quimporta!)

quarta-feira, 4 de maio de 2011

bestfriend.

o dia estava a ser absolutamente péssimo até tu apareceres e trazeres o sol mesmo estando a uns bons 4000km de distância.

o que era de mim sem ti?

terça-feira, 3 de maio de 2011

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Sis ♥

porque hoje a pessoa mais corajosa da família faz anos, parabéns melhor irmã do mundo. ly!

Lá vou eu, a alta velocidade

Meses a ansiar por Junho e Junho chegou. Possivelmente um dos meses mais stressantes da minha vida, onde vi as minhas maiores olheiras de se...