quinta-feira, 30 de junho de 2011

eu também tenho um shinystat! #1

Resolvi ir no rebanho e arranjei um destes para o meu blog. A verdade é que os meus visitantes vêm cá parar por motivos no mínimo estranhos. Bem, e sem mais demoras:

bicho que irrita - epá... realmente sou um bocadinho irritante, mas não precisavas de ofender dessa maneira...

e agora que acabou - humm...pergunta difiícil. agora que acabou choras um bom bocado, e esperas que passe, esperas, esperas, esperas, quando deres por ti já passou.

es uma tonta - e voltámos aos insultos!

excesso de frio - ná, por aqui só excesso de calor.

não dá pra fingir que ta tudo bem aqui - pois, e agora que acabou não dá pra fingir que ta tudo bem aí né? percebo.

E foi o que tivemos este mês. Para o próximo há mais!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

a porcaria dos 12.

tenho uma queda para tirar doze a tudo. este semestre então está a ser um desespero.

primeiro exame: 'correu óptimo, vou tirar pelo menos 15' - ná, tirei 12.
segundo exame: 'correu horrivelmente mal, vou chumbar de certeza, já vou ter de ir a recurso' - ná, tirei 12.
terceiro exame: 'até correu bem, acho que deve dar para o 14' - guess what? tive 12.

argh, argh, argh.

domingo, 26 de junho de 2011

agora a sério, mandem-me ir estudar.

Vá lá, mandem-me! Tenho duas melhorias para a semana, e ainda um exame ao qual tenho de passar - que é só o cadeirão do curso, coisa pouca. Mas e vontade? Essa morreu, perdeu-se, não sei. Mas o pior é que não estou preocupada.

Vá, mandem-me ir decorar a via das pentoses, e as enzimas, e a beta-oxidação dos ácidos gordos, e as reacções anapleróticas mais o ciclo do glioxilato e o diabo a sete. Mandem-me ir saber todos os constituintes do xilema e do floema, e os elementos essenciais, e as hormonas vegetais, auxinas, giberelinas e as citocinas. E se ainda tiverem vontade que eu frite mais uns tantos neurónios mandem-me ir estudar electroforeses e géis de poliacrilamida, estudos de imunocitoquímica, diluições, PCRs, primers e afins.

A sério, mandem-me que eu preciso.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

tgif!




são só mais duas semanas, são só mais duas semanas, são só mais duas semanas, são só mais duas semanas.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Post fútilzinho

Quando estamos na época de exames - constituída por 5 semanas, 3 das quais já lá vão - só há uma coisa prioritária: estudar. Estudar estudar estudar. Tudo o resto cai no desleixo, porque estamos a estudar. Ou pelo menos é essa a desculpa que gostamos de dar.

Ora vejamos:
O café que andava a tentar eliminar na rotina pós-almoço transformou-se em café obrigatório, e muitas vezes também está presente a meio da tarde;
De manhã - lá está, para não sucumbir ao raio do café - a opção 'chocolate' da máquina tornou-se a minha principal eleita.
As corridas foram (temporariamente!) à vida. Ainda só corri uma única vez desde o início dos exames e nem essa corrida foi de jeito. Está bem que agora não podia correr ao pé-coxinho mas já comprei umas tilhas novas e ainda estão à minha espera na caixa.
Toda uma tentativa de comer saudavelmente está posta de parte, porque ultimamente panados nas cantinas, McDonalds e até cachorros têm sido os meus melhores amigos.

E tudo isto somado já tenho mais um quilo no lombo.

domingo, 19 de junho de 2011

Acho que vocês ainda não perceberam bem como eu sou desastrada...

ontem tropecei numa perna de um senhor que estava numa cadeira de rodas. Shame on me.

mais um, e hoje são 7 ♥

quinta-feira, 16 de junho de 2011

é complicado.

É mas é uma treta. Quando uma relação é complicada é porque pelo menos uma das duas pessoas não gosta assim tanto da outra. Sejamos sinceros. É disso que se trata. Quando as duas pessoas gostam, a sério, mesmo mesmo, o que querem mais é ficarem juntas sem mais ninguém a chatear. Quando as duas pessoas se gostam não têm espaço para terceiras ou quartas ou quintas pessoas. Quando se gosta de alguém a sério queremos aquela pessoa só para nós. E isso não dá aso a complicações. É até bastante simples.


quarta-feira, 15 de junho de 2011

podes vir agora, já, tirar-me cá de casa, a lua hoje não vê nada.

do agradar.

temos o agradar aos amigos, agradar aos pais, agradar aos irmãos, agradar ao namorado e depois onde sobra espaço para agradar a mim própria?

terça-feira, 14 de junho de 2011

Coisas estúpidas que só acontecem a quem? A mim, pois claro #2

O azar acompanha-me, vocês sabem. Da outra vez,caí de umas escadas rolantes. Desta vez aliei a burrice e aconteceu o que se segue.

O meu pai tem um terreno cheio de morangos estupidamente deliciosos. No entanto, para regar aquilo tudo é impossível fazê-lo sozinho e eu, como tão boa filha que sou (cof, cof, cof) vou sempre com ele. Para tal coisa uso umas botinhas da Quechua que 95% das miúdas da minha idade têm umas iguais. É certo que água + terra = lama. As belas das botas ficam sempre um bocadinho nojentas. A minha mãe que só pôs os pés no terreno uma ou duas vezes na vida dela não me deixa entrar com as botinhas porquinhas em casa. Como tal ficam à porta à espera da próxima rega.

Mas onde é que tu queres chegar Buu?

Já lá vamos. Foi assim o ano passado. Estava a ser assim este ano.

Há cerca de quinze dias quando fui para me calçar só encontrei a bota esquerda. Procurei por ali à volta, mas a bota tinha desaparecido. Perguntei ao meu pai: nada. Perguntei à minha mãe: nada. A bota não aparecia e eu tive a feliz ideia de ir calçar as minhas sapatilhas de corrida e lá vamos nós regar. As sapatilhas ficaram igualmente sujas e como tal deixei-as novamente cá fora.

Passado uma semana o meu pai encontrou a bota desaparecida na estrada a cerca de cem metros (!) da minha casa. Toda roída, sem atacadores. A minha bota a servir de alimento a um cãozinho com fome. Ohh. Não sei quanto tempo a bota esteve no meio da estrada mas depois de contar isto a várias pessoas a reacção foi: 'ah, a bota era tua?' Lindo.

Não me importei muito. Paciência. Sempre tinha as outras. Pois. Que tinha deixado no mesmo sítio. Pois. Há três dias a minha sapatilha direita desapareceu. E ainda não foi encontrada.


domingo, 12 de junho de 2011

nem mais.

'Sei sempre que alguém me está a mentir ou, vá lá, a faltar involuntariamente à verdade, quando me diz que vive um Amor equilibrado. Ou então é de mim, que nunca me equilibrei decentemente em nenhum dos Amores que vivi. Estou sempre a cair. Na melhor das hipóteses sinto-me um equilibrista bêbado a andar no arame a dez metros de altura.
Um amigo disse-me isso hoje durante um uísque on the rocks, que vive um Amor equilibrado porque gosta tanto dela como ela dele. E eu ri-me. Se ele acha isso é porque já não a Ama. Se a Amasse ia sempre achar que gostava mais dela do que ela dele. É inevitável. Não lho disse assim, talvez por falta de coragem, mas ri-me. E ele perguntou-me abruptamente "o que é que foi?". Foi isso mesmo. Ele não está apaixonado. Não pode.
Apaixonado estou eu. O que não estou é equilibrado. A última vez que me equilibrei foi porque estava triste ou, pior do que isso, nem triste estava. Não estava nada. Nada de nada. Nem sequer embebecido. Depois apaixonei-me e comecei a andar todo torto, com vertigens e vómitos. Acho sempre que gosto mais dela do que ela de mim. Isso entorta-me. Pronto.'

pelo Bagaço Amarelo (que sabe tanto disto.)

Deve ser de ser S.António

Hoje, cá em casa, pela primeiríssima vez a minha mãe quer ver a SIC em vez da TVI. Já esqueceu lá os da tribo - que eram absolutamente intragáveis - e agora só tem olhos para os gordos. É certo que eu por mim via o penúltimo episódio do Glee e era uma pessoa feliz mas não consigo reclamar disto, é demasiado bom.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

exames.

voltamos sempre a isto, de três em três meses. Três já foram, faltam outros três. Os piores, claro porque o pior fica sempre para o fim. Para já não falar no recurso. Sim, porque eu não tipa para fazer tudo à primeira, isso queria eu.
Portanto, até dia 8 de Julho estou em modo estudar-tanto-até-que-me-rebentem-os-miolos.

terça-feira, 7 de junho de 2011

estou cansada, muito cansada. aborrecida e sem vontade de estudar para os exames. estou com vontade de ir ali para um cantinho sozinha sem ninguém me chatear. e também estou com vontade de ficar calada porque sei que se falar vem daí coisa má. isto passa-me. passa sempre.

domingo, 5 de junho de 2011

E agora falando de coisas importantes,

lembram-se disto? Então tive de vir espalhar ao mundo que foi preciso chegar ao segundo semestre do segundo ano para ter um 18! Desculpem lá a presunção, mas teve de ser, estou assim mesmo estupidamente feliz (inserir todos os smiles sorridentes que se lembrem).

eu também fui votar!

Sou uma míuda com 18 anos, e a partir daqui abre-se um mundo de novidades. Hoje fui votar pela primeira vez. Esperava filas e filas de gente, gente sorridente quando dissessem o meu nome, felicitações pelo presidente da mesa de voto, papel brilhante com um cabeçalho bonito, caneta da Parker, e pelo menos uns confetis à saída.

Parece que afinal o mundo adulto não é assim tão emocionante.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

eu sou uma pessoa que até percebe de política

O MEP é uma anedota. reclamou que não tinha tido debates televisivos nos canais generalistas tais como os cinco grandes. Vai daí que o tribunal lhe deu razão e agora todos os quatros canais (RTP1, RTP2, SIC e TVI) estão a transmitir (neste preciso momento, corram!) um debate deste partido com outro também mais pequeno ao mesmo tempo. Isso! Ao mesmo tempo. Ora, quem estiver a ver um debate não está a ver outro. Ridículo.

2º ano

Tenho sempre a sensação que sou ao contrário da regra geral. Ou pelo menos gosto de pensar que sim. Amanhã é o último dia do 2º ano da universidade. No primeiro dia do primeiro ano todos me disseram 'o melhor ano é o ano de caloiro'. O tanas. Este sim. Este foi o ano. Este foi o melhor ano de sempre e tinha roçado a perfeição se certas pessoas não tivessem emigrado. Foi o ano em que descobri que se calhar tinha feito uma boa escolha em vir para o curso que vim. Foi o ano em que conheci as melhores pessoas, que me vão marcar para sempre, em que fiz amizades que nunca pensei ter feito, e solidifiquei aquelas que tinham ficado em modo gelatina o ano passado. Este ano foi o ano em que ri mais, cantei mais, dancei mais, falei mais, estudei mais.

Este foi o ano.