terça-feira, 3 de abril de 2012

Do 'meu' carro que tinha tudo para fofinho e querido mas não é

(isto vai ser longo, preparem-se)

Sou capaz de ser a pessoa mais azarada que conheço. Em 15 dias perdi o meu computador e o carro com o qual ando. Enquanto que o problema do computador ficou minimamente resolvido em dois dias com a preciosa ajuda do A., o carro está-me a dar um trabalhão desgraçado e nem é meu.

Dada a ocasião de os meus pais terem ido uma semana para fora do país, o carrito pequenino, comercial, fofinho, ficou todo para mim. Só que logo no dia em que o fui buscar fiz asneira. Como ainda sou uma naba, a tirar o bicho do estacionamento raspei no carro ao lado, ficando este um bocadinho amolado. Depois como boa portuguesa, e passados uns bons minutos a desesperar dentro do carro, fugi. Afinal quem tem um Audi A8 também pode pagar a pintura na boa né? (senhor do audi, se me está a ler, peço imensa desculpa) 


Pois o carro ficou amuado comigo (ele também ficou com uma boa amoladela à frente) e dois dias depois, às 7h20, comigo cheia de pressa, resolve não pegar. Não pegava de todo. Desespero parte 2. Segue-se toda uma sequência de telefonemas eu-pais, pais-electricista, pais-eu e lá me dizem que o homem vem ter comigo dali a algum tempo. Foi rápido até. Veio com aquela maquineta da bateria, ligou os cabos e em dois segundos: voilá! O carro pegou. Ainda tentei brincar com o senhor e disse: 'boa! fez magia!' ao que ele me vira umas trombas e responde 'não, só liguei os cabos, não tem nada de especial'. Isto nem merece comentários.

Toda contente lá fui eu para Coimbra city, deixei o bicho bem estacionado e fui para o Congresso com a D. já com um bom atraso. Passei o dia a rezar para que quando voltasse ele funcionasse.

Não resultou. Desespero parte 3. Mais uma sequência de telefonemas. Eu-pais, eu-irmão. Lá chego à conclusão que tenho de chamar a assistência em viagem.

O mecânico lá veio, mais rápido do que me disseram ao telefone até, com a mesma maquineta e os mesmos cabos. Lá fez a mesma magia. Desta vez não houve piada. Voltei para a terrinha e lá deixei o carro no mesmo electricista sem sentido de humor. E que por sinal não conseguia ver problema. 'Olhe aqui, o carro pega tão bem!' Obrigada, depois de ter feito 25km a carregar a bateria não é difícil. Quase que tive de o obrigar a lá ficar com o bicho.

Hoje vou buscá-lo. Desejem-me boa sorte.

1 comentário:

м♥ disse...

estas coisas que descreves são precisamente o meu maior pesadelo. sempre quis ter carta e agora já só falta mesmo um bocadinho pra poder andar no bolinhas do meu pai, mas tenho um medo terrível que ele me deixe ficar mal. afinal já é um carro velhinho, apesar de não dar grandes problemas, mas nunca se sabe. Tenho mesmo medo que se passe enquanto sou eu a conduzir e que deixe de funcionar ou fure um pneu ou comece a fazer barulhos estranhos! :)

Nada que uma boa noite de sono não resolva

Chegou a terça-feira e tinha uma dor de cabeça horrível e sentia um cansaço generalizado. O meu corpo estava a suplicar-me para parar de mar...