domingo, 3 de junho de 2012

este é só para ti.

Às vezes ainda duvido que aqui venhas. Outras vezes tenho mesmo a certeza que aqui pairas, não todos os dias, mas de vez em quando, para ver se te calha alguma coisa na rifa, ou então só mesmo para saberes de mim. E, então, pensando no segundo caso achei que te devia actualizar.

Sim, se ainda estivéssemos juntos saberias que já furei as orelhas, e no entanto, tenho a certeza em como te irias esquecer e não irias reparar. Saberias que voltei a ver o velho perverso e que tu foste a primeira pessoa a quem me lembrei de contar, mas não pude. Saberias que sempre que faço o caminho a pé para casa te imagino ao meu lado como tantas vezes foste, e que, sempre que passo no muro que tu destruíste, te vejo lá. Saberias que o meu irmão ainda não teve tempo de pintar o teu desenho mas eu também já não tenho coragem de lhe pedir. Saberias que afinal, e contra todas as minhas crenças, há dois tipos no meu curso interessados em mim e que isso não me aquece nem arrefece, porque todos os seres do sexo masculino me são indiferentes menos tu. Saberias que me é impossível apagar tudo o que é teu no meu telemóvel, e que continua tudo mais que intacto como se nada se tivesse passado. Saberias que o Glee fez uma piada com o Star Wars e eu fiquei feliz por ter visto os filmes graças a ti. Saberias que continuo com a foto do teu pai na minha sala à espera do dia em que ta ia mostrar, e agora também não tenho coragem de lhe pegar sequer. Saberias que morro de saudades tuas, porque, afinal, te fazia questão do dizer quando passávamos tanto tempo separados e agora também já não posso. Saberias que sempre que passo por um Clio branco vejo a matrícula para saber se é o teu carro e se tu lá vais dentro. Saberias que digo sempre olá aos teus amigos com o meu melhor sorriso. Saberias que ontem conheci dois caloiros da maneira mais estúpida que existe, mas também sei que terias orgulho em mim por ter deitado o meu anti-socialismo para trás das costas, que era claramente das coisas que mais detestavas em mim. Saberias que estou outra vez doente, e já consigo ouvir-te a gozar comigo por causa de eu sei um vidrinho.

Saberias que sou uma cobardezinha porque hoje tinha planeado comigo própria ir falar contigo sobre o quão estúpido é nós passarmos um pelo outro e não dizermos nada, nem sequer um olá, mas não consegui, e chances não nos faltaram.

E saberias que provavelmente quando a Dri, a Debs e a minha irmã lerem isto me vão dar na cabeça, mas eu nem quero saber.

Aos 25

Passei a meia-noite de 7 em Budapeste com uma das minhas melhores amigas e foi o melhor dia de anos de sempre. Entre almoçar McDonalds e jan...