domingo, 29 de janeiro de 2012

Rita Blanco vs Catarina Furtado

neste momento no programa Cinco Sentidos da RTP. Não resultam. Credo, já discutiram ali umas quatro ou cinco vezes, tudo com uma música apaziguadora como fundo. A Catarininha até já teve ali princípios de lavar roupa suja. Enfim, péssimo péssimo.

Já ias estudar Buu Maria...

sábado, 28 de janeiro de 2012

só porque sim


sábado, 21 de janeiro de 2012

esta é uma frase feita para mim.


É o que me faz diferente dos outros. Não seria eu se não fosse aquela esquecida a quem falta sempre alguma coisa, aquela que tropeça em todo o lado, aquela que diz coisas do nada que não fazem sentido nenhum para a conversa, aquela que se ri desalmadamente e não consegue parar mesmo quando já está tudo a olhar e a dizer 'Buu, a sério, já chega', aquela que canta desafinadamente na rua, aquela que se esquece da chave em casa, espera meia hora na rua pelo pai e depois descobre que afinal tem a chave no bolso. São essas pequenas coisas que me definem. E eu gosto de ser assim.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

quanto ao exame,

correu benzinho. Era fácil, não me posso queixar. O problema foi a minha estúpida memória que não conseguiu sugar tudo e por isso lá ficaram umas coisas em branco e outras completamente inventadas. Enfim, logo se vê. Se for preciso vou a melhoria, ninguém morre.

Mas o mais estranho é...não é que até fiquei a gostar daquilo?

porque hoje é dia 19, e faz catorze meses.


quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

e agora que passo os olhos pela novela da tvi

porque raio é que a empregada da casa anda com um penteado saído do cabeleireiro, mini-saia, botas com salto e alto decote? estas telenovelas estão cada vez mais realistas, realmente, cá em casa é tal e qual.

amanhã é o dia.

O ano passado por esta altura andava a chorar pelos cantos. Foi a minha pior época de exames. A minha cadeira preferida tinha sido feita com dez apesar de ter estudado durante uma semana a fio (é um problema a resolver daqui a duas semanas numa coisa chamada melhoria), a cadeira que eu achava que era fofinha foi feita com onze (esta também já foi convertida, em melhoria, numa nota mais decente), a cadeira que eu não percebia absolutamente nada feita com onze também (não, esta vai ficar como está), e a melhor nota foi obtida numa cadeira que envolveu ter de ir para o campo apanhar coisas: valeu-me um belo treze.

Depois ainda tinha 'a cadeira'. Dizia mal dela sempre que podia. Não conseguia ir às aulas, e quando ia limitava-me a fazer desenhos. Amaldiçoava a sua existência. Dizia que tinha vindo do inferno para me atormentar. Chegou a época de exames e só de olhar para a sebenta perdia a vontade de estudar. Chumbei, obviamente. Passado um ano, cá estou eu de novo, e cá está ela também, à espera que eu a faça. Este ano fomos amigas. Sabia o que a casa gastava, então arregacei as mangas, e, sem medo, fui à luta. Fui a 95% das aulas, tirei mais apontamentos que sei lá, estudei, escrevi escrevi escrevi, fui tirar dúvidas aos professores, estudei, voluntariei-me nas aulas práticas para pipetar, estudei, estorriquei os miolos, estudei. Fui uma boa foca. Apliquei-me mais nesta do que nas outras todas juntas. O exame é amanhã. Se me sinto pronta? Não. Sinto-me uma pilha de nervos, porque quero fazer uma coisa bonitinha equivalente ao meu esforço durante o semestre, e é tanta coisa para saber - se vocês soubessem a quantidade! - que me sinto perdida e às aranhas. Amanhã é o dia e já só quero que ele chegue.



segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

a instrutora

Na minha escola de condução há cerca de uns dez instrutores de condução. apenas três são mulheres. Duas delas têm para cima de 45 anos certamente. A que se destaca é uma tipa novinha, aí com uns vinte e poucos anos, alta, magrinha, com um corte de cabelo pixie e que, não sendo nada de especial, faz as delícias de todos os homens. Ultimamente tenho tido aulas às 9h, logo que a escola abre, por isso vou sempre apreciando as figuras deles mal ela chega. Quando a vêem, só falta babarem-se. Quase que correm, cumprimentam-na sempre, fazem o sorriso mais delicodoce que têm, e, os mais corajosos, ainda tentam meter-se com ela, dizendo uma piada ou outra, normalmente sem graça nenhuma.

A última que presenciei foi a do meu próprio instrutor. Tem aí uns quarenta anos, é baixinho, não deve nada à beleza, mas pelo menos compensa em simpatia. É um tipo sempre simpático e bem-disposto. Estávamos já a ir para o carro quando a instrutora passa por nós em direcção à escola. O homem pôs-se logo em sentido: sorriso-baba-piada sem piada. Mas não lhe bastou o habitual. Vindo de não sei onde, deu uma palmada das grandes nas costas da mulher. Ela até foi para a frente, desequilibrou-se e ficou a olhar para ele com cara de poucos amigos. Ele sorriu envergonhado e viemos embora num silêncio constrangedor.

que saudades

do sol, do calor, das férias, de poder vestir uma saia e um top e já está - estou pronta para ir à rua, de não ter de estudar, de poder ir ao cinema, de não me estar sempre a queixar que está frio, de poder estar numa esplanada, de poder ir à praia e à piscina e tentar invariavelmente ficar morena e invariavelmente não conseguir, de o sol me pôr sempre bem-disposta, ahhhh.

ainda faltam pelo menos dois meses para isto tudo? acho que não vou aguentar.

sábado, 14 de janeiro de 2012

sábado.

acordar cedo porque o hábito das 7h30 ainda não desapareceu. espernear um bocadinho porque queria ter conseguido dormir mais. pensar em coisas que não devia. continuar a pensar nisso. fartar-me de pensar e levantar-me finalmente. ver o estado fenomenal do meu cabelo e não me importar. tomar o pequeno-almoço. lavar as escadas. jogar computador. procrastinar. comer uma barrita de cereais da Golden Grahams. ouvir esta música e ficar com a moral no auge. depois esta três vezes seguidas. finalmente começar a pensar em ir estudar.

almoçar. estudar outra vez. reclamar que estou farta daquilo. procrastinar mais um bocado. começar a correr de um lado para o outro porque a festa de anos da best é hoje e ainda não lhe fiz a prenda. correr para o banho. vestir num ápice. ligar à T. a dizer que estou atrasada. secar o cabelo à pressa. arrumar as coisas para lá dormir. esquecer-me do pijama. entrar para dentro da mala do carro da T. possivelmente chorar um bocadinho porque voltei a pensar em coisas que não devia. chegar a Coimbra. divertir-me como há muito que não me divirto. rir até às lágrimas. conhecer pessoas novas. jogar a jogos de tabuleiro. comer comida vegetariana. ser gozada pelo P. gozar com a best e vê-la a cruzar os braços a dizer 'humpf'. imaginar que ela já tem 22 e a mim ainda falta tanto para lá chegar. imaginar que ela só tem 22 e já viveu tanto e que já não falta assim tanto para eu lá chegar e não vivi metade. sussurrar com ela antes de dormir. adormecer a pensar que o dia passou muito mais rápido do que aquilo que eu imaginei.  

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

21:30

sento-me no sofá e logo um peso me cai nos olhos. ando estoirada e esgotada. não é mau de todo. o dia passa rápido, estuda-se mais, e pensa-se menos naquilo que não se deve.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

O meu irmão

faz hoje anos. O meu irmão é o melhor tipo que conheço. Dos meus três irmãos mais velhos sempre foi o que teve mais paciência comigo, mesmo que isso se ilustrasse em dizer coisas como 'foste encontrada num caixote do lixo quando eras bebé porque foste parida por uma gata' ou então 'daqui a uns anos vai-te crescer uma pilita' quando eu tinha aí uns sete anos. Com esta idade ele também era capaz de me prender na casa de banho com as luzes desligadas deixando-me aos berros ou numa outra versão abria a porta e fechava os olhos com toda a força para não ver algo que não queria. O meu irmão sempre foi estranho o suficiente para falar bem alto enquanto dorme no sofá ou para uma vez me envergonhar quando uma vez, subitamente, se pôs aos saltos na Decathlon. Mas, foi sempre ele que fez com que eu crescesse sem mania e o mais simples possível. Com ele aprendi muito. Por exemplo, que podemos trabalhar anos num sítio que nos consome por dentro e nos deixa sem dormir mas que o mais importante é nunca nos esquecermos de seguir os nossos sonhos.

E o dele, começa por aqui : Viagens no meu Caderno. O blog dele, que é tal e qual como ele.

Parabéns Tiago!

(private joke: LAU!)

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

para uma viciada como eu,

e para o tempo que falta para os Óscares, tenho a dizer que estou muito mal. Para além de 'Midnight in Paris' (que tenho as minhas dúvidas que vá ser nomeado) ainda não vi mais nadinha de jeito. Estou mal, estou mesmo mal. Tenho que me pôr ao caminho.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

é coisa para me deixar a sonhar acordada uns bons tempos

Matthew Lewis (Neville Longbottom em Harry Potter)

domingo, 1 de janeiro de 2012

2011

2011 valeu só por quatro meses brilhantes chamados 'Fevereiro, Março, Abril e Maio'. O melhor semestre de sempre (como sei que não vou ter outro igual), com a sensação de ter tido um sol constante por cima de mim, com os melhores cafés e sorrisos. Foi o ano em que me apercebi que não precisamos de ter só um caminho, e que às vezes um plano B pode ser tão bom ou melhor do que aquilo que tínhamos pensado inicialmente. Foi o ano em que me pus a mexer e a fazer finalmente aquilo que gosto. 2011 trouxe-me um verão chocho, mas com o melhor dia de anos de sempre e com os melhores quatro dias rodeada de amigos. Os últimos meses, de inverno, não foram, de todo, os ideais. Trabalhei como nunca tinha trabalhado e vi a recompensa em alguns momentos, mas, contudo, a desilusão esteve muito mais presente.

Foi o ano mais rápido da minha vida e por isso talvez mesmo o melhor. Se 2012 for igual, acreditem que ficava muito feliz.

Quanto a resoluções? Duas: manter este tipo fantástico (és mesmo!) que eu encontrei ao meu lado e conseguir entrar naquilo que quero (seja lá o que isso significar)