sexta-feira, 27 de abril de 2012

coisas que eu já sou muito velha para perceber #1

O facto de uma miúda minha amiga no facebook (andava na mesma escola que eu, cá na terrinha) aí com os seus 14 anos ter uma foto de perfil com 104 likes! 104! E vocês pensam: 'wow, a foto deve estar um espectáculo!'. Não, nem por isso. A miúda está sentada numas escadas interiores de casa, com uma cara de tristeza/aborrecida mal amanhada com um lápis na mão e de meias. É tudo.

(atenção que não estou a dizer que a miúda não é bonita, que por acaso até é)

quarta-feira, 25 de abril de 2012

parece que é mesmo isto.




de Once Upon a Time

segunda-feira, 23 de abril de 2012

amanhã é um grande dia.

estamos todos contigo brother!



domingo, 22 de abril de 2012

é que é mesmo!


É horrível como isto é tão verdade. Basta-me ouvir a música três ou quatro vezes e pimba, à quinta já sei quase tudo e passado uma semana já a canto inconscientemente quando passa no rádio. É um trabalho que não me requer mesmo quase esforço nenhum, mas há vezes em que teimo em ouvir para perceber bem certas partes mais difíceis. É das minhas qualidades mais inúteis, mas nem é a mim que irrita, é mesmo a quem tem que me gramar. 

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Eu, Buu Maria, admito: tenho um problema com guarda-chuvas.

Tenho mesmo! Não me basta esquecer-me deles em qualquer lado ou deixá-los em casa quando são precisos, tenho a capacidade fantástica de estragar sempre uns tantos. Vem lá uma chuvinha e eu começo logo a dizer-lhes palavras bonitas para ver se se acalmam, que eles são mesmo resistentes e mesmo giros mas nem isto os contêm, viram-se sempre e deixam-me logo toda encharcada. E é quando não me voam e eu tenho de correr atrás deles...

quinta-feira, 19 de abril de 2012

17 meses


segunda-feira, 16 de abril de 2012

Da minha colega que coitada, tira umas fotos meias estranhas

Foi minha colega - e amiga vá - desde o quinto ano até ao décimo. Como morávamos - e ainda moramos, é certo - muito perto uma da outra, vínhamos sempre juntas da escola para casa, e íamos muitas vezes uma a casa da outra. 

Foi por volta do sexto ou sétimo ano (cedo, portanto) que descobri que a minha colega era um bocadito, como dizer isto sem chocar...porquita. Lembro-me perfeitamente de ela estar no Messenger a falar com um tipo muito mais velho conversas que, para uma miudita de 12 anos como eu, me chocaram um bocado. Até lhe cheguei a perguntar sobre isso e ela só respondeu: isto é tudo na brincadeira! Na altura, enterrei-me no meu buraquinho e calei-me. 

Mas foi quando andávamos aí no nono ano que ela revelou o seu potencial. Começou a namorar com um rapaz mesmo muito giro do décimo segundo. Claro que me roí de inveja. E sim, a partir dali tive a certeza que ela tinha jeito para os rapazes, e era quase só ela querer. E, digo-vos, ela não era nada de especial, era bonita e divertida. Era um bocadinho tolita, mas isso dava-lhe o encanto final. 

O problema, e eu sempre achei isto, é que quando se atinge o auge muito cedo, a partir daí é sempre a descer.   

No fim do décimo ano mudou-se para Coimbra e passámo-nos a  falar muito pouco. Sabia das histórias dela esporadicamente, e estas envolviam sempre um namorado novo. Mas aqui começava o declínio: eram sempre tipos pouco interessantes, pouco atraentes, enfim, eram para andar e seguir. Começava também um padrão: eram sempre alguns anos mais velhos que ela. 

Aqui há uns dois ou três anos vimos na foto de perfil do - ainda - hi5 dela a cereja em cima do topo do bolo: ela e o namorado da altura nus, deitados na cama, com o lençol a tapá-los e eles a aparecerem e a sorrirem para a câmara que ele segurava numa mão. A outra mão segurava vigorosamente a mama dela para não se ver, e pronto, lá estavam eles felizes e contentes, certos que aquela fotografia dava para um qualquer book ou campanha publicitária. 

Acabaram pouco tempo depois. Que eu me tenha apercebido, acho que já teve mais dois ou três desde então. Mas fotos destas de qualidade nunca mais teve. 

domingo, 15 de abril de 2012

daqui a pouco,




Vou correr com a melhor-amiga, pela primeira vez desde há muito tempo. Desejem-nos sorte, estou com o feeling que vamos precisar.

sábado, 14 de abril de 2012

agora a sério,

quem é que disse ao José Carlos Pereira que ele sabe cantar?

(sim, acabei de ligar a tvi...)

Autocarro da terrinha #1

Às vezes tenho tanta história para contar sobre isto que achei por bem acabar por criar uma rubrica. Só para a coisa ficar mais oficial. 

Ontem, a viagem que demora cerca de 45 min demorou praticamente uma 1h. 1h a andar devagarinho, monte acima, e juro que nunca tal coisa me pareceu durar tanto tempo - e eu já ando nesta vida há mais de dois anos. 

Bom, então lá íamos nós feitos caracol gigante, quando os meus ouvidos captam a seguinte conversa das senhoras que iam à nossa frente:

Senhora 1: Olha a minha cunhada agora tem lá uma máquina em casa que aquilo faz tudo!
Senhora 2: É aquela da comida?
Senhora 1: Sim, chama-se Bimba!
Senhora 2: Ah já sei! Mas acho que é Bimbi que se chama...
Senhora 1: Não, não! É mesmo Bimba tenho a certeza! 


segunda-feira, 9 de abril de 2012

eu (e a yorn) apresentamos o pior filme de sempre

Quem é Yorn sabe: de vez em quando recebe-se umas mensagens mal-amanhadas sobre podermos ganhar bilhetes para ante-estreias de filmes. Para isto basta irmos até certa sala de cinema, num certo dia, a uma certa hora e rezar para que ainda haja bilhete para nós (eles dão até a sala encher).

Sempre ignorei tal coisa, até à segunda-feira passada. Estávamos de férias, e ainda na agitação daqueles dias que não parei em casa, piquei a D. para irmos e olha, lá fomos. O filme chamava-se Projecto X e vi de relance a pontuação do filme no IMDb. 6 e pouco. Previ que não seria grande coisa, mas e então? Era de borla! Estivemos uma boa hora e meia numa fila gigante no Fórum Coimbra, mas com tudo controlado. Contei as pessoas à nossa frente: 110. Ainda dava. Demos uns berrinhos histéricos e ficámos todas contentes.

Bem. Graças a Deus que o filme era de borla. Foi péssimo. Vou-vos contar a história numa linha:

há um miúdo que vai ficar um fim-de-semana sozinho em casa e como é anti-social resolve dar uma festa em casa, que acaba por ser a maior festa de sempre, fim. 

Juro que é só isto. Foi mau, mau, mau. Não sei se me volto a meter noutra tão cedo.



domingo, 8 de abril de 2012

estou mal disposta

provavelmente deve ter sido das amêndoas de chocolate, do chocolate negro que comi - como se não houvesse amanhã - a seguir ao almoço, da mousse de chocolate ou então... já sei! foi do bolo de chocolate!

terça-feira, 3 de abril de 2012

Do 'meu' carro que tinha tudo para fofinho e querido mas não é

(isto vai ser longo, preparem-se)

Sou capaz de ser a pessoa mais azarada que conheço. Em 15 dias perdi o meu computador e o carro com o qual ando. Enquanto que o problema do computador ficou minimamente resolvido em dois dias com a preciosa ajuda do A., o carro está-me a dar um trabalhão desgraçado e nem é meu.

Dada a ocasião de os meus pais terem ido uma semana para fora do país, o carrito pequenino, comercial, fofinho, ficou todo para mim. Só que logo no dia em que o fui buscar fiz asneira. Como ainda sou uma naba, a tirar o bicho do estacionamento raspei no carro ao lado, ficando este um bocadinho amolado. Depois como boa portuguesa, e passados uns bons minutos a desesperar dentro do carro, fugi. Afinal quem tem um Audi A8 também pode pagar a pintura na boa né? (senhor do audi, se me está a ler, peço imensa desculpa) 


Pois o carro ficou amuado comigo (ele também ficou com uma boa amoladela à frente) e dois dias depois, às 7h20, comigo cheia de pressa, resolve não pegar. Não pegava de todo. Desespero parte 2. Segue-se toda uma sequência de telefonemas eu-pais, pais-electricista, pais-eu e lá me dizem que o homem vem ter comigo dali a algum tempo. Foi rápido até. Veio com aquela maquineta da bateria, ligou os cabos e em dois segundos: voilá! O carro pegou. Ainda tentei brincar com o senhor e disse: 'boa! fez magia!' ao que ele me vira umas trombas e responde 'não, só liguei os cabos, não tem nada de especial'. Isto nem merece comentários.

Toda contente lá fui eu para Coimbra city, deixei o bicho bem estacionado e fui para o Congresso com a D. já com um bom atraso. Passei o dia a rezar para que quando voltasse ele funcionasse.

Não resultou. Desespero parte 3. Mais uma sequência de telefonemas. Eu-pais, eu-irmão. Lá chego à conclusão que tenho de chamar a assistência em viagem.

O mecânico lá veio, mais rápido do que me disseram ao telefone até, com a mesma maquineta e os mesmos cabos. Lá fez a mesma magia. Desta vez não houve piada. Voltei para a terrinha e lá deixei o carro no mesmo electricista sem sentido de humor. E que por sinal não conseguia ver problema. 'Olhe aqui, o carro pega tão bem!' Obrigada, depois de ter feito 25km a carregar a bateria não é difícil. Quase que tive de o obrigar a lá ficar com o bicho.

Hoje vou buscá-lo. Desejem-me boa sorte.

domingo, 1 de abril de 2012

então e por aí?

Por aqui anda-se em festa. Congresso de quinta e sexta: check! Encontro nacional dos estudantes do meu curso: check! (aliás, isto até só acaba amanhã, mas já conta). Surpresa fofinha pelo meio: Check! Ando esgotadinha de todo, tenho o tempo tão contado que até sinto a falta dele para conseguir respirar. Lá para quarta sou uma pessoa novamente desocupada (e já posso contar-vos decentemente a história de como o meu carro consegue ser bastante triste e deixar-me apeada duas vezes, prometo).