sábado, 28 de dezembro de 2013

Planeta Terra, escuto: daqui fala do Planeta Buuniano

Eu podia desculpar-me com o facto de andar a trabalhar muito e a dormir pouco para vos explicar porque é que a minha vida é feita de uma série de acontecimentos estúpidos - em que eu me limito a sobreviver entre eles - mas a verdade é que não posso. A culpa é minha. É a mim que falha sempre a mesma conexão entre neurónios que me põe constantemente em alhadas.

Pois bem: ontem saí do trabalho cedinho para vir para casa arranjar-me, uma vez que era dia de jantar de Natal da empresa. Correu tudo lindamente, banhinho tomado, o cabelo impecável, roupa bastante gira com mais uma saia feita pela minha mãe, maquilhagem no ponto. Apercebo-me que não tenho uma carteira decente para sair portanto ponho o passe, a bolsa com os documentos e dinheiro e ainda os telemóveis nos bolsos do casaco. Visto-o, mais uma olhada no espelho - 'epá, estou mesmo gira' - vejo as horas: 20:50, e saio. Fecho a porta de casa. E é neste exacto momento que me cai tudo. As chaves. As chaves. As chaves! As chaves!!!!! As chaves!!!!!!! As chaves ficaram lá dentro!!!!!!!!!!!

Sim, para os mais atentos neste blog, é verdade que vivo com a minha irmã, mas ela estava e está em Coimbra.

Ligo à minha mãe em pânico, que me dá a boa notícia de que se o senhorio não tiver as chaves, terei de ligar aos bombeiros. Ligo ao senhorio: não tem chaves.

Ligo aos bombeiros. 'Sim, minha senhora, se estiver uma viatura disponível irá já para aí. Aviso-a de que este trabalho terá um custo de 55€.'  Engasguei-me e achei que ele estava a gozar comigo. Não estava.

Sentei-me nas escadas do hall de entrada do prédio e esperei. Esperei. Esperei. Esperei. Esperei. Esperei. O hall estava gelado e eu de saia. Começo a espirrar. Esperei mais um bocado. Quando já tinha passado uma hora voltei a ligar e dizem-me que tenho de aguardar. Começo a assoar-me. Esperei. Esperei. Esperei. Passadas duas horas (sim, duas horas) chega a polícia. Esperamos os três mais meia hora. Ao todo esperei pelos bombeiros duas horas e meia. Abriram-me a porta em 30 segundos.

Nunca mais me esqueço da porcaria das chaves em casa, juro-vos.  

e sim, depois ainda fui para o jantar - em que já não comi quase nada - e sim, ainda fomos sair e a noite compensou muito a espera toda, ao menos isso. 


domingo, 22 de dezembro de 2013

X-factor

Sim, eu tenho lá o meu melhor amigo no melhor dos grupos (não é nenhum dos dos rapazes, esses dão-me vómitos) e sim, eu quero muito que ganhe mas...ligo a televisão e está o Diogo a cantar a minha música preferida de Natal e toda eu sou baba!

Resumo rápido dos meus dias

Dias trabalhados: 19
Folgas: 0 (zero, zerinho)
Média de horas trabalhadas por dia: 13/14
Quilómetros percorridos: cerca de 500
Carros diferentes da empresa que já conduzi: 5
Herpes que me apareceram e eu consegui aniquilar: 3 (três!)
Olheiras: estupidamente enormes.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

E de repente a vida dá uma volta

Foi há pouco mais de quinze dias, que em desespero de falta de audições e castings, enviei o meu currículo em resposta a um anúncio para uma empresa da área da qual tirei a licenciatura. Chamaram-me para entrevista nesse próprio dia e eu achei que dali não viria nada. Acho mesmo que nunca uma entrevista me correu tão mal. No entanto, e ao contrário de todas as expectativas chamaram-me para uma segunda entrevista, e quatro dias depois, numa terceira reunião, viria a saber que a partir daquele dia seria retirada dos números do desemprego. Caiu-me o emprego do céu.

Desde então não tenho parado. Tenho trabalhado cerca de 14h - a época natalícia traz 70% dos lucros da empresa - e tenho dormido cerca de 5h. Não tem havido tempo para Facebook, nem para o blog, nem para passeios, nem compras, nem ver televisão, nada. Absolutamente nada.

Por outro lado também tenho os colegas mais porreiros que poderia ter. Fazemos todos parte de uma equipa e remamos todos para o mesmo lado, e é por isso que é suportável trabalhar tanto tempo. Posso sempre contar com eles quando preciso de ajuda, riem-se comigo das minhas desgraças, preocupam-se se como decentemente, se estou doente, e por aí fora.

É claro que deixei um bocadinho os sonhos de parte. Mas, para já, estou a tentar não pensar muito nisso.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Nada como um novo amor para aniquilar um velho

Está decidido: depois de ler as vossas sugestões e de reunir outras opiniões, tenho uma nova série de eleição que após o 1º episódio foi direitinha ao meu coração.

Portanto, a juntar a New Girl, Glee, Orange Is The New Black e The Walking Dead (nem sei porque ainda vejo isto, cada episódio é uma desilusão maior que o anterior) passarei a ver a partir de hoje e com um atraso de sete temporadas:

A Teoria do Big Bang

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Coisas engraçadas desta vida

O meu melhor amigo estar nas galas do Factor X. E ele próprio não saber como se faz para ir assistir ao vivo. 

Ironias

Ver no Facebook uma montagem de fotos de uma antiga colega minha da loja, que está de frente para o espelho, a tirar as ditas com o telemóvel, toda jeitosa, sorriso pepsodente, cabelo impecável, com a mania toda concentrada naquele momento, e que tem como descrição: 'como eu nunca vistes'.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Constatação do dia

A probabilidade de encontrar alguém de raça negra a falar ao telemóvel em alto som, cada vez que ando num autocarro público, é cerca de 98%. Haja paciência.

sábado, 16 de novembro de 2013

Breaking Sad

Em Outubro acabou uma daquelas que eu considero uma das melhores séries de sempre: Breaking Bad. Tinha tudo bom: os actores, o enredo, os planos, a música, a luz. Tinha tudo planeado ao mais ínfimo pormenor, e não deixando nada ao acaso, aproximou-se da perfeição.

Depois do luto feito, tentei encontrar outras séries que fossem tão ou quase tão boas. E aí começou o problema. Comecei por Awkward. Não sei porque achei que fosse bom, mas realmente não é. É um bocadinho melhor que Morangos com Açúcar, e ficamos por aí. Depois fui para Game of Thrones. Vi tudo, e gostei, mas acho que é um bocado sobrevalorizada. Falavam-me tantas maravilhas daquilo que fiquei até ao último episódio à espera de mais, e nunca chegou. E agora ando a ver Orange is the New Black. É levezinho, mas é engraçado, e tem uma história original pelo menos. Mas mesmo assim, não me enche. Alguma recomendação por esse lado?

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Eu até estava cheia de raiva e de rancor

com aqueles tipos do Quem Quer Ser Milionário? pelo facto de me terem metido uma pergunta de dificuldade muito superior à esperada na pergunta em que perdi, e pelo facto de me terem lixado a ajuda do telefone de propósito, mas há pouco abri a caixa do correio e lá estava ela: a carta que diz que me vão ser transferidos 500€ inteirinhos para a minha conta bancária, e, de repente, esqueci todos os motivos de ódio e fiquei feliz feliz feliz.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Não me apetece dar um título de jeito a isto

Há dias que tenho saudades de gostar de alguém. Tenho saudades dos mimos, e das mensagens melosas que provocam sorrisos sinceros antes que os consigamos controlar. Tenho saudades de lamechices, de ouvir músicas e pensar imediatamente naquela pessoa. Já não estava habituada a ouvir o raio das letras e a pensar 'ah, sim, que giro, mas isto não é para mim'. E é que depois 80% das músicas é sobre relações, ou amor, ou desgostos, e uma pessoa sente-se desenquadrada. Dou por mim a achar a nova música do Jonh Legend completamente intragável, e a querer gostar dela, mas não tendo como. Tenho saudades em querer a felicidade do outro tanto ou mais do que a minha, tenho saudades da preocupação constante. Tenho saudades de dar as mãos, de passear, de fazer parvoíces, de estar na galhofa, de olhares cumplíces, de beijos, de acordar de manhã e o primeiro pensamento não ser aleatório.

E dizem-me: 'vai sair', 'vai conhecer pessoas novas', 'mete-te com aquele', 'olha tenho um amigo mesmo bom para ti'. E eu vou. Eu saio, eu conheço pessoas novas, eu meto-me com aquele tipo engraçado, e espero que se decidam a apresentar-me os amigos compatíveis para mim. Mas não dá em nada. Depois de os meus padrões altos terem dado resultado, é tão difícil baixá-los como encontrar alguém à altura deles.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Madeixas californianas

Eu até nem era para falar disto, afinal não sou nenhuma entendida em moda, mas depois de ter visto os espécimes que eu vi hoje, não me consegui conter mais.

Acho que fica muito bem, e muito giro se for algo do género:








O problema é que o que se tem visto é:



E isto minhas senhoras, é feio. Isto assim só parece ou que pegaram nas pontas e as meteram num balde com tinta amarela, ou que tinham o cabelo pintado e deixaram de pintar as raízes.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Senhores passageiros, o comboio vai partir!

Tudo começou naquela manhã em que acordei mais cedo do que o normal. Após o ritual do costume, sentei-me no computador preparei-me para ver Game of Thrones. Ainda não seriam dez da manhã quando achei que seria boa ideia ver o meu email. E, de repente, e inesperadamente, lá estava ele: um email a oferecer-me trabalho. Como hospedeira de bordo. Na TAP. A entrevista seria às 14h30 no Aeroporto e eu tinha de levar roupa específica. Roupa essa que eu não tinha em casa. Desesperei, corri até à Primark, comprei camisa, saia e sapatos altos, tirei fotos de rosto, corri outra vez até ao autocarro, concluí que não ia chegar a tempo, apanhei um táxi, corri mais um bocado até ao balcão da TAP para me dizerem que a entrevista não era ali. Estavam uns 28º e eu de camisa de mangas compridas. O meu rabo de cavalo estava todo desanranjado. E eu estava toda vermelha. Corri mais um bocado até ao sítio certo. Perdi-me dentro do Campus deles e demorei uma boa meia hora a encontrar o sítio da entrevista. Pesaram-me, mediram-me, e viram a minha imagem - ou seja, viram se eu era bonita e adequada ou não. Devo lá ter estado uns dez minutos e fui mandada embora, com a promessa de que se tivesse passado à fase seguinte receberia um email nos dias seguintes.

Não recebi, e por isso mesmo não fiquei.

Mas de alguma forma assinei um acordo com alguma entidade divina em que mostrava que me podiam solicitar para as tarefas mais estranhas de um momento para o outro, e que a resposta seria sempre afirmativa.

E é isso que tem acontecido todas as semanas desde esse dia para cá: convites de um dia para o outro para rapar o cabelo por 2000€ para uma publicidade, que depois não se concretizam, mas que implicaram levantar cedo para fazer uma gravação sobre mim própria; voltar a ir ao Quem Quer Ser Milionário? tendo tido o convite no próprio dia, mas ir e desta vez ganhar dinheiro (ainda vos hei-de falar mais sobre isto); ter o conhecimento que vou ser a protagonista na curta-metragem do final do curso e a última cena será comigo a ter um bebé; inscrições de última hora num casting para uma novela e em figurações pela Plural.

De certa forma, nem tudo tem dado certo. Mas o acordo continua. E eu sei que mais tarde ou mais cedo alguma coisa espectacular vai acontecer.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Montanha russa

E de repente a minha vida transformou-se numa montanha russa a todos os níveis. Quando isto acalmar venho cá contar tudo!


domingo, 27 de outubro de 2013

Ensinamentos de sábado à noite

Ontem, depois de termos ido festejar as notas que tivemos (muito melhores que algum dia pensei) no curso, eu e as minhas amigas, ao sair do bar já a altas horas, ouvimos o seguinte pelo dono do estabelecimento:

'Vocês meninas, vocês até são engraçadinhas! Vocês nunca se esqueçam que o poder está sempre do vosso lado, sempre do lado das mulheres! Nunca vos deixem é que vos faltem ao respeito'.

E pronto, fomos todas de coração mais cheio para casa.

Sim, fui sair doente, hoje estou com a sensação de que me vou tornar um vegetal a qualquer momento.

sábado, 26 de outubro de 2013

Buu Maria, doente outra vez, parte 1792349691

Detesto ser a porcaria de um vidrinho no que toca às minhas defesas. Passo meses e meses constipada e toda a gente goza comigo por isso, obviamente.

O pior é quando calha estar mal em dias de hoje: é a última apresentação da minha peça, é a última vez que vamos estar juntos como turma, vou receber o meu diploma, e vão falar sobre mim em público. E eu vou estar com o nariz vermelho, com o lencinho ranhoso na mão, com dores de garganta horríveis e estupidamente rouca.

Nem me consigo conter de excitação!




terça-feira, 15 de outubro de 2013

Um dia

eu vou ao Quem Quer Ser Milionário? e vejo um tipo a ocupar um programa inteiro com 3 perguntas mas a ganhar 20 000€, enquanto eu momentos a seguir tento ser a mais rápida na pergunta mais difícil de sempre, erro, e fico a chuchar no dedo.

Hoje foi o dia.


quinta-feira, 10 de outubro de 2013

That awkward moment

quando o facebook te sugere seres amiga da ex do teu ex.

Obrigada pela simpatia, mas...acho que vou passar.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Dúvida do dia

Com a greve do metro, e tendo o dia livre e querendo ir passear, devo eu:

A. Ficar em casa sossegadita e ir passear amanhã;

ou

B. Enfiar-me num autocarro (ou vários) cheio de gente que não põs desodorizante de manhã.


Aguardo as vossas opiniões, enquanto eu própria me vou debatendo interiormente.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

é hoje!

e depois de um ano de curso, muitas aulas, muitas chatices mas também muita diversão, tudo culmina aqui: a peça final. Estreamos hoje e o nervoso já começa a dar um ar da sua graça!

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A melhor música que que combina com a chuva


 Bon Iver - Skinny Love

E combina também com cappucinos e croissants quentes para pequeno-almoço, com cobertores no sofá, com o último episódio de Breaking Bad, com limpezas da casa e com o antepenúltimo ensaio antes da estreia (que é já esta quinta - pânico!).

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Dramas às duas da manhã de quem já não vive em casa dos pais

Chego a casa do ensaio há pouco menos de uma hora, tendo jantado uma tosta mista. Estou a morrer de fome. Procuro pelo pão: não há. Abro o frigorífico: não há iogurtes. O leite também só chega para amanhã ao pequeno-almoço. Saco dos cereais e começo a comê-los em seco. Parece que não está a cair nada no estômago que para me alegrar me começa a doer. Descubro os pêssegos. Como um e continuo na mesma. Pânico: não há nada para comer nesta casa e eu vou morrer à fome. Acabo de chegar à conclusão de que há ovos. Vou cozer um. Se depois ainda estiver com fome desisto e vou dormir.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Do fim de Dexter (spoiler alert!)

Quando começou Dexter era uma série do mais alto nível. Com uma premissa muito boa e fora do vulgar tinha tudo para dar certo. Embora tivesse perdido alguma força na 3ª temporada (achei-a tão má que nem a consegui ver toda), voltou em força na 4ª, e as seguintes foram constantemente boas. Até chegarmos à última. Depois de uma penúltima temporada muito forte e com a Jennifer Carpenter a fazer um papelão como Debra, estava o caminho aberto para o fim ser bom, muito bom.

Mas não foi. A última temporada foi uma confusão. Os autores limitaram-se a lançar temas uns atrás dos outros sem um fio condutor e de uma forma completamente atabalhoada. Foi a entrada da Vogel - porquê senhores, porquê? - foi o assassino que tirava partes do cérebro e lhas mandava, foi o pseudo-aprendiz, foi a reentrada da Hannah, foi o Oliver Saxon que afinal era filho da Vogel. Resumindo: foi muita coisa em apenas 12 episódios, para além de que houve coisas completamente desnecessárias.

O que faltou a Dexter foi o conflito. Enquanto que em Breaking Bad os autores não têm medo e a pouco e pouco tudo começa a ser revelado e a série está a acabar no topo do topo, em Dexter tudo se resolveu de forma fácil. O fim tinha sido espectacular se tivessem descoberto quem ele era, que a Debra tinha morto a LaGuerta, que ligação tinha afinal o Matthews com a família dos riquinhos, que a Hannah tivesse sido apanhada, quem era a Vogel na verdade, se o investigador privado tivesse sido útil e não apenas uma personagem absolutamente acessória.

Mas não. Os autores ficaram-se pelas fugas fáceis e fizeram um último episódio que é possivelmente o pior de toda a série. O Harrison fica com a Hannah na Argentina - ninguém vai querer saber dele é?, a Debra morre porque é mais conveniente, o Dexter finge a sua própria morte e afasta-se de todos e passa a ser lenhador. A sério?! Coisa mais rídicula e vergonhosa.



Quem me dera que afinal a imagem acima tivesse sido um prenúncio do que iria acontecer - mas não, foi só uma promo que a Showtime resolveu publicar porque sim.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Estou de mau humor

Acordei às 8h30, quando podia ter dormido a noite toda, por causa das obras no meu prédio. Porcaria de martelo eléctrico (ou lá o que é) que ainda não se calou um segundo desde aí.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Mas...mas...eu...eu querooooo!

Acabei de saber que a La Roux vai à Latada em Coimbra. Fico em extâse. Depois vejo que é dia 18, sexta, e tenho vontade de morrer, porque todas as sextas e sábados do mês de Outubro tenho a apresentação da minha peça, cá, em Lisboa.

Ai que se me apertou um bocadinho o coração

Ligo a televisão: está a dar a Praça da Alegria. Melhor, está a dar uma reportagem sobre o início do ano lectivo na universidade de Coimbra. E de repente bateu-me a saudade.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Coisas boas desta vida

Enquanto Dexter está a acabar de uma forma muito morna e, de certa forma, telenovelesca, Breaking Bad está a subir cada vez mais a fasquia para melhor fim de temporada (e série) de sempre. Com episódios estupidamente bem feitos uns atrás dos outros (os últimos 6 não têm absolutamente nada a apontar), o de ontem foi absolutamente genial, capaz de levar alguém a um enfarte (para quem ainda não viu, há spoiler dos grandes nas imagens abaixo - se calhar é capaz é de já ser tarde para avisar, ups!)






E esta (a par com a última) foi A cena

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Serei sempre a mesma

Uma das coisas que sempre detestei fazer é decorar. Aquele marranço puro e duro, saber palavra por palavra, sem entrar verdadeiro conhecimento na cabeça. Foi por isso que chegando ao 9º ano, e escolhendo com facilidade a área de ciências, me congratulei por deixar de ter História e Geografia. No entanto, decorar coisas continou a perseguir-me. Ao escolher Biologia para estudar na universidade acabei por ter imensas cadeiras onde tinha de saber tudo de cor, tim-tim por tim-tim. Escusado será dizer que estas eram as disciplinas que menos me interessavam e às quais tinha pior nota. Simplesmente não tinha motivação absolutamente nenhuma para estudar.

Agora, em Lisboa, e num curso de teatro, vejo-me de novo na mesma situação: tenho de saber o meu papel até logo à noite e eu - que a certo ponto me queixei que era pouco - estou-me a ver à rasca para o fazer. É que afinal a minha personagem fala que se desunha, e eu detesto ter que decorar o que ela diz, assim, em casa, a tentar enfiar as palavras todas cá para dentro. Preferia bem mais começar a sabê-las com a insistência dos ensaios, mas temos pouco tempo para isso. Até lá tenho de me resignar de uma vez, ver se me deixo de desculpas, e pôr-me ao trabalho.


terça-feira, 10 de setembro de 2013

Quase que estou a desejar pelo fim do verão

Se isso significar o fim dos programas com música pimba a toda a hora. Já tenho os ouvidos (e os olhos!) a sangrar de tanta porcaria junta.

domingo, 8 de setembro de 2013

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Ó da casa

Estou de volta! Está aí algueeeeém?

Bom, na esperança que realmente esteja, vou passar já e sem demoras a explicar-vos porque tive um Agosto tão ocupado:

. Fui a Londres 6 dias e estive perto de odiar a viagem. Não a cidade, não o tempo, não a minha amiga. Mas a família dela. Definitivamente nunca mais viajar para ir ter com pessoas controladoras e que só me deixaram ver a cidade durante 2 dias (os outros tive de andar sempre atrás deles, em centros comerciais e assim. Bof.) (e não, não vos vou mostrar 86824835 fotos da viagem porque eu detesto ver esses posts nos outros blogs - nada contra, eu é que não gosto! - e passo-os sempre à frente, logo não vou fazer o mesmo com o meu)

. Fiz 21 anos (snif-snif) e tentei fazer a melhor festa de sempre - que saiu um fiasco daqueles. Mas, os meus amigos estavam lá, e só isso fez com que a festa valesse a pena.

. Fui passar uma semana à Figueira da Foz e constatei mais uma vez que tenho os melhores amigos que alguém podia ter.

. Estive com o meu melhor amigo durante meia hora perdidos a pé em Alfarelos (zona fantasma ao pé de Coimbra) e morri de medo. Demos a mão, comemos amendoins sem sal, vimos ruas desertas e prédios com grafitti e esperámos a nossa boleia com muita ansiedade.

. Fui ajudar os bombeiros da minha terrinha, e lavei mais de cem pratos numa tarde.

. Almocei com a R. que já não via há quase seis meses e apercebi-me que há coisas que não mudam.

. Fui muitas vezes à piscina e andei muito de saias e calções e não consegui ficar morena. Estou condenada a ter a mesma cor de pele até ao fim dos meus tempos.

. Brinquei como nunca com os meus sobrinhos, dei a sopa todas as refeições ao meu afilhado e cheguei mesmo a pensar que não vou ter paciência para aturar uma peste como ele. Mas passados dois minutos passou-me, como era expectável.  

. Revi o meu colega de mesa do 10ºano e soube imediatamente que a nossa química continua intacta.

. Concorri ao Quem Quer Ser Milionário? e após uma fase de questionário de cultura geral em que me safei bastante bem e um telefonema posterior onde estive uma hora com o senhor a relatar a minha vida toda toda toda, acho que é praticamente certo que já lá estou.

. Tive uma despedida bastante...bem, nem eu a sei qualificar. Fora da caixa, acho que é o termo.


terça-feira, 27 de agosto de 2013

A emissão continua dentro de momentos

Agosto está a ser o melhor mês de férias de sempre, e, juntando a isso o facto de ter a casa sempre cheia, é absolutamente impossível cá vir.

Segunda já estou de volta à capital para os ensaios da nova peça, por isso vou aproveitar os últimos dias de férias, aproveitem também!

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Se se perguntarem onde ando eu

a resposta é: estou finalmente em Londres!

Estou a escrever este post às escondidas de toda a gente por isso tenho de ir! Vemo-nos na próxima terça!

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Sou uma medricas com peso na consciência

Todos os anos por esta altura oiço a mesma campanha: é preciso doar sangue. Faço sempre ouvidos de marcador. Tenho idade e peso, aliás, tenho todos os requisitos para o fazer, mas sou medricas. Tenho a ideia que aquilo é doloroso, e para além disso, que é demorado e que ficamos o resto do dia com o braço incapacitado. Eu até sou uma rapariga com bastante tolerância à dor, mas sempre que penso nisto lembro-me de uma vez que me tiraram sete seringas de sangue para análises e que eu ia desmaiando. Ora, como será se for meio litro? É claro que tudo isto são desculpas, até porque depois bato os olhos nesta imagem e fico logo cheia de peso na consciência, ainda mais do que aquele que já tinha.

É que eu tinha logo de ser A- !

E por aí, já alguém deu? Alguém me quer dar uma forcinha?

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Buu Maria Vs The World

(post muito muito comprido, mas que precisava de ser escrito)

O facto de eu me ir demitir da loja no final deste mês causa um certo desconforto em toda a minha família, e até em muitos amigos meus. Acho que estou praticamente sozinha nesta luta. Bem sei que quando tanta gente nos diz para fazermos o contrário, é porque provavelmente são eles que estão certos, só que neste caso...neste caso, eu acho que simplesmente ninguém me compreende. Ou faz um esforço para tal.

Quando em Outubro passado, vim para Lisboa tirar um curso de teatro, à noite, estava perfeitamente convencida que teria que arranjar um emprego durante o dia, porque os meus pais não são ricos, nem ganharam o euromilhões. Por outro lado, o facto de eu ainda ter pouca formação na área nunca me abriria portas ou audições, ou trabalho que fosse. Sabia que este era um ano para isto: estudar aquilo que mais queria e trabalhar ao mesmo tempo para o poder fazer.

O que ninguém percebe é que esse ano termina agora em Julho. Com excepção de Setembro e Outubro (em que haverão os ensaios e a apresentação da peça final), eu já não preciso daquela loja para nada. Mas toda a gente me insiste em ver que não: que o mercado de trabalho está fechado, que o desemprego é altíssimo, que eu tenho sorte em ter um trabalho, ai a crise - sempre a crise.

Mas vamos lá a ver se esclarecemos uma coisa: eu não quero fazer carreira naquela porcaria de sítio! Nem naquele, nem em nada do género! Para isso estava eu em Coimbra, a estudar! Ainda se fosse um emprego de jeito...mas não é. Nunca vos expliquei porquê, mas em traços gerais posso dizer qualquer coisa como: o patrão não quer saber de nós e delega todo o trabalho em mim, o que não é justo; depois ainda é um mentiroso do caraças; as minhas colegas têm vistas curtas e não têm o mínimo de inteligência e cultura geral, e passar quase um ano com elas está a emburrecer-me (literalmente); a loja não tem livro de reclamações nem licença; as facturas que passamos são ilegais, etc. Há ainda o facto de eu ter descoberto que detesto atender pessoas. Juro. É a pior coisa de sempre. 90% dos clientes são maus. Tratam-nos como se fôssemos lixo e acreditem que ao fim de algum tempo começa a fazer mossa. E, por fim, detesto lá trabalhar porque o horário me fechou portas a tudo: a audições, a ir a casa, a fazer amigos. A minha vida passou a girar à volta da loja, e não era suposto.

Agora que já expliquei tudo, sei bem qual é a questão que fica no ar: então mas o que vais fazer para o ano? Bom, é aqui que cai a bomba na minha família, com toda a gente a pôr as mãos na cabeça e a dizer 'ai jesus'. Ora bem: para o ano vou tentar que o curso que tirei e as peças que fiz me façam valer de alguma coisa. Vou-me pôr a mexer, percebem? Vou mandar fotos e currículos para tudo o que é agência, vou fazer audições até à exaustão, e eu sei que se me esforçar muito muito muito, alguma coisa vai começar a aparecer.

E se não aparecer? Bom, posso sempre arranjar um part-time que não me leve tanto tempo como este trabalho levava. É aqui que toda a gente diz que vou falhar, o que é bastante animador como podem imaginar. Mas... se não conseguir mesmo, no fim do ano volto para Coimbra, satisfaço a vontade aos meus pais e a todos os outros e tiro o mestrado.

Se estou a arriscar muito? Estou, pois. Mas só tenho 20 anos e se não for agora quando é? Parece que ninguém consegue perceber isto.



terça-feira, 23 de julho de 2013

Estou doente

outra vez. E estou sozinha em casa. Escusado será dizer que estou também praticamente sozinha em Lisboa. Logo, não tenho ninguém para me fazer o jantar. Ou para cuidar de mim e me dar mimos. Humpf.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Como começar uma segunda-feira em grande

Chegar à loja e reparar que após o meu fim-de-semana de folga, tenho de ser eu a limpar tudo e a fazer um monte de coisas que as minhas queridas, preguiçosas e incompetentes colegas não foram capazes de fazer.

O que vale é que daqui a seis dias o inferno acaba, e só isso já me deixa de sorriso fácil.

domingo, 21 de julho de 2013

Espectacular

É a palavra que melhor define o concerto dos The Killers. Conquistaram-me desde o ínicio: Somebody told me e Spaceman injectaram uma energia no público que ao tentar cantar o mais alto que podia e saltar ao mesmo, morreu na terceira música. Aliás, eu diria mesmo que as pessoas que assistiram foram o pior de todo o concerto, estiveram constantemente mortas. Enfim. Mas, como dizia, o Brandon Flowers esteve o tempo todo com um sorriso aberto, completamente satisfeito por ali estar, e puxou pelo público a cada dez segundos. O concerto teve direito a tudo: papelinhos pelo ar, batutas do baterista atiradas para o público, fogo de artifício. Resta-me dizer que vim de lá praticamente afónica, acho que isso resume tudo.

Foto tirada por mim, e bem boa na medida do possível
tendo em conta que o tipo não parou quieto o tempo todo!

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Ora bem,

. Ver um boneco a falar com a minha voz e com a minha inflexão deve ser uma das experiências mais giras que já fiz na minha vida. Fazer dobragens é realmente um sonho, mas que, para já, vai ficar adiado, pelo menos até ao meu sotaque do norte (Coimbra não é norte, mas cá insistem que sim) desapareça.

. Ir até Cascais só para ver a vossa amiga a dançar durante um quarto de hora num espectáculo de uma hora e meia é muito pouco justificado. Principalmente quando tudo o resto foi uma seca. Ao menos ela dançava bem, aliás, bem melhor do que aquilo que inicialmente pensei.

. Faltam 2 dias para o SBSR e já estou em modo histeria!

. Faltam menos de 15 dias para sair deste emprego cocó e começo a achar que tudo isto é um sonho.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Coisa escrita sem jeito nenhum a horas tardias da noite e assim em jeito de desabafo

Tenho andado tão cansada que às vezes apetece-me chorar de cansaço. Do nada, assalta-me uma infelicidade vinda cá de dentro que me sufoca e deita-me completamente abaixo. Estou muito farta de trabalhar onde trabalho, estou muito farta de ver todos terem férias e verão e eu não, estou muito farta de estar longe das pessoas que gosto, enfim, estou muito farta de tudo, e estou a chegar ao meu limite, cada vez mais.

No entanto, é nesses momentos que tenho ignorar o agora e olhar um bocadinho para o futuro próximo e ver que coisas boas se aproximam, como alguém me ensinou a fazer.

E sei, eu sei mesmo, que Julho vai ser um mês muito bom, basta eu querer. Na próxima sexta vou aos estúdios da RTP experimentar fazer vozes para as Power Puff Girls (e só Deus sabe o que eu gostava de ficar), e no sábado vou ver o espectáculo final de dança de uma amiga minha daqui, numa bendita saída de miúdas. Para a semana vou - finalmente! - ver os meus The Killers ao vivo. E, daqui a pouco mais que quinze dias estarei de partida para Londres onde estarei cerca de uma semana, numas férias com uma amiga que prometem e muito.

Julho está a ser um mês cheio, e vai ser um mês feliz, só depende de mim - tenho definitivamente de me convencer disso.




domingo, 7 de julho de 2013

Momento egoísta do dia

Falta exactamente um mês para o meu aniversário. Por agora, tento não me focar tanto no facto de ir fazer 21 e me achar uma velha que daqui a pouco já está nos 30, e tenho é pensado bastante em como vou festejar tal feito.

O ano passado amuei e não quis fazer nada, detestei fazer 20, embora o dia até tenha sido bastante engraçado. Mas, daqui há uns anos para trás que só faço festejos da treta: ir à piscina que fica a 1km de minha casa, um jantar no restaurante da terrinha, ir sair para a discoteca chunga da vila.

Este ano quero uma coisa a sério. Uma coisa em grande, que fique para sempre, que toda a gente se lembre, e toda a gente fale naquela festa de anos da Buu. 

A melhor ideia até agora é uma festa ao pôr do sol e que se prolongue pela noite dentro na praia. Foi uma amiga minha que sugeriu, e eu acho espectacular! Se estou um bocado preocupada com a logística e com os preparativos em si? Estou pois. Mas se isto correr bem vai ser altamente!


sábado, 6 de julho de 2013

Coisas que eu adorava estar a fazer neste sábado cheio de calor

Ir à praia/piscina ou estar numa esplanada a comer gelados e caracóis com os amigos.

Coisas que eu vou fazer neste sábado cheio de calor: trabalhar numa loja de gelado de iogurte até às 23h.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Por outro lado,

fui tentar descobrir quem eram os Black Rebel Motocycle Club, uma vez que são estes que vão abrir as hostes do palco principal do SBSR no dia em que vou. E deparo-me com esta música, que já conhecia do filme God Bless America e nunca tinha descoberto de quem era. Poderá ir ser o dia 19 deste mês, um dia mais perfeito do que aquilo que já se adivinha?



Constatação do dia

não percebo a tara que toda a gente tem por aquela música dos Passenger, ou do Passenger, ou o raio. Aquilo é lento, é chato, não tem jeito, é cocó, dá-me sono, e não faz sentido passar na rádio de um quarto em quarto de hora.

domingo, 30 de junho de 2013

Coisas que aprendi num fim de semana que se quis muito cheio

Tenho os melhores amigos do mundo.
Não voltar a pôr a 2ª numa subida inclinada na qual vou a 10 km/h ou o carro vai-se ressentir bastante e eu vou ser gozada.
O meu estômago é demasiado sensível ao gás da 7up.
Não fui feita para estar num baile de braços cruzados e trombas - vou dançar e fazer figuras e não quero nem saber. 
6 ou 7 shots dão para alegrar uma pessoa mas não chegam para fazer alguém bêbado. 
É possível uma discoteca estar com uma música tão má e tão vazia que nos arrependemos dos 1,5€ que pagámos de entrada. 
Quando voltar a ir a uma praia fluvial levar uns chinelos e usá-los no caminho rio-toalha, ou volto a fazer figuras tristes - e a esfoliação nos pés não é assim tão vantajosa. 
Podia ser uma jogadora profissional de Uno e ficava rica.
Não tinha noção das saudades que tinha das pessoas daqui. 
Sou perfeitamente capaz de ultrapassar uma das situações mais constrangedoras da minha vida e fi-lo com sucesso (mas rezo para não voltar a acontecer tão cedo). 
Para mim, camisas em rapazes são como saias em raparigas para eles. 
Ainda continuo a chorar com filmes de animação. 
O We are young dos fun. torna-se especial quando cantado com as pessoas certas. 
É possível que seja mais divertido estar a cantar aos berros com os teus amigos num carro do que numa discoteca.
Não, uma rapariga não se senta na mesma mesa que dez rapazes porque é muito amiga deles, é mesmo porque está interessada num em especial.
Às vezes conseguimos sentirmo-nos mais giras de calças e t-shirt do que de vestido. 
Emagreci tanto que quase consigo enfiar um braço nas minhas melhores calças. 
Apercebi-me que me vai custar imenso a custar a passar este mês em Lisboa. 



quinta-feira, 27 de junho de 2013

Coisas tristes desta vida

Estarem amanhã 30 graus, comigo na terrinha, perto dos meus amigos, mas absolutamente nenhum deles estar disponível para ir comigo para a praia.

Eu nunca pensei

que houvesse alguma coisa que me desse mais nojo que ratos ou que formigas em carreiro ou saírem do formigueiro.

Agora sei que há: baratas com uns cinco ou seis centímetros. Gigantes, enormes, nojentas. Nunca tal vi sem ser aqui em Lisboa.

Acabei de ver uma na minha gaveta dos talheres, expliquem-me como é que vou ultrapassar o trauma.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Coisas que me irritam profundamente

Toda a gente tem uma opinião formada sobre como devo fazer o meu trabalho ou sobre como as coisas numa loja funcionam.  Se não é como acham é, chateiam-se, está mal, devia ser mudado, devia ser de determinada forma, da forma que eles - cabecinhas pensantes - têm a certeza que é a mais correcta. Mesmo que nunca tenham trabalhado em nada do género.

sábado, 22 de junho de 2013

Planos para o dia de hoje

Limpar a casa de alto a baixo (e não demorar mais que 2h nisto);
Fazer o treino do Insanity que não consegui acabar ontem;
Ir para o Cais do Sodré ver se apanho algum dos 4800 marujos que desembarcaram ontem acabar de ler O Grande Gatsby;
Ver mais um episódio de Game of Thrones ou quem sabe, começar a ver Breaking Bad.

Resta desejar-vos um bom fim de semana a vocês também!

E deixo-vos este gato que não tem nada que ver com
o que eu escrevi mas que achei que era fofinho,
e não preciso de mais razões.


sábado, 15 de junho de 2013

Então Buu Maria, como foram esses Santos?

Ora bem:

. chamem-me foleira mas achei um piadão às marchas, e só o facto de ter conseguido ver lá ao longe o João Baião aos saltos já deu para me deixar contente;
. apercebi-me que duas irmãs com apenas um ano de diferença não podiam ser mais diferentes (ou uma tão porreira e outra tão insuportável);
. andar uma hora às voltas completamente apertada em Alfama não teve piada absolutamente nenhuma;
. dar 3€ por uma bifana é justificado quando estamos completamente cheias de fome e aquilo tem um aspecto fabuloso;
. dar 1€ por uma sangria com vinho carrascão já não;
. fiquei bem chateada quando cheguei ao Campo das Cebolas e me apercebi que lá é que está um arraial bem fixe e eu só andei às voltas a noite toda;
. fiquei ainda mais chateada quando vi as horas e percebi que tinha que ir para casa ou caso contrário ia chegar lá para as seis e no dia seguinte tinha de trabalhar;
. andei com uma sardinha na cabeça e senti-me a maior.

aqui está uma foto que não foi tirada de propósito
mas que bem podia ter sido


Conclusão: ou passei por uma má experiência ou esta noite é muito overrated.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Momento histérico do dia

Acabei de descobrir que consigo ver o jogo PortugalxRússia no iPad da loja. Oh yeahhhhh! RTP Play, és a maior!

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Eu avisei que a minha vida era estranha

Acabou de se sentar nas mesas da minha loja, sem pedir nem nada, uma senhora a dar de mamar a um bebé, com a mama toda de fora.

Vai na volta e vai atrair mais clientes e tudo.

terça-feira, 4 de junho de 2013

A minha mãe é melhor que a vossa

A minha mãe tem um talento especial para trabalhos de costura. É devido a ela que não me faltam bolsas para maquilhagem, porta-moedas, porta-chaves, etc. No último Natal aventurou-se mais um bocadinho, e tive imensos cachecóis novos, golas e gorros feitos por ela.

Então, aqui há cerca de quinze dias, achei que estava pronta para o salto: fazer-me roupa.

Tenho um casamento no próximo Domingo e não encontrei vestidos nenhuns de jeito nas lojas habituais para vestir. E foi então que os meus olhinhos se lembraram deste episódio do Glee e do vestido que a Rachel usa.

We've Got Tonight - Glee Version





Fiz o desafio à minha mãe, e voilá!, ela aceitou. Anda de pantanas, farta de me ligar, já veio a Lisboa só para me tirar mais medidas e não fala noutra coisa. Reclama imenso, mas sei que lhe está a dar um gozo tremendo. E o vestido está a ficar igualzinho e absolutamente impecável! Estou mesmo entusiasmada. Depois, no fim, venho cá contar como foi usar um vestido Diane von Furstenberg que custa 259€ feito pela minha mamã e o sucesso que ele teve.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Ontem parti um espelho

Hoje acordei com uma dor de cabeça que ainda permanece, bem como uma dorzinha de garganta que está a começar a aparecer, tive problemas na loja até mais não, tive problemas com o senhor da administração do centro comercial, foi o último dia com a minha colega preferida, fiz muito menos dinheiro do que aquele que estava à espera, tive clientes antipáticos, e acabei de entalar dois dedos numa porta da maneira mais estúpida que conheço.

Quantos anos faltam para isto acabar, mesmo?

quinta-feira, 23 de maio de 2013

sábado, 18 de maio de 2013

A minha vida dava um filme daqueles estranhos, bem estranhos mesmo

Mas acho que numa só frase vos consigo resumir o que aconteceu ontem ao final da tarde:

Fui com um rapaz que mal conheço e que a minha impressão sobre ele é que era giro e simpático, a segunda impressão é que era gay, mas que depois confirmei que era hetero porque o vi acompanhado ao Colombo, à loja da Pandora comprar-lhe um fio e uma conta para a namorada dele.

Não sei se fiz entender. Nem eu entendi na altura!

Estava eu a ir descansadinha para casa quando ele meteu conversa comigo e depois - grande lata! - me perguntou se podia ir com ele ao Colombo fazer aquilo que já vos contei. E eu? Eu fiquei estúpida a olhar para ele e depois lá disse que sim. E fomos. E apesar de eu não gostar de Pandoras (acho mesmo pouco originais e comerciais, e vou ser apedrejada mas... ficava triste que me dessem uma) lá o ajudei a escolher. No fim tive direito a um gelado de duas bolas da Haggen-Dazs, marca que nunca tinha provado na minha vida - mas que não é mesmo nada de especial.

Passado três horas estava de regresso a casa, e com um sentimento estranho dentro de mim. É, parece que agora tenho um amigo em Lisboa. Meio estranho, mas meu amigo. Acho eu.

domingo, 12 de maio de 2013

Pourtant quelqu'un ma dit que tu m'aimes encore

Carla Bruni - Quelqu'un m'a dit 

'Pourtant quelqu'un m'a dit
Que tu m'aimes encore
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore
Serais ce possible alors'


sábado, 4 de maio de 2013

Experiências gastronómicas #1

Desde que vim para Lisboa e que comecei a ganhar algum dinheirinho e alguma independência, decidi que iria satisfazer o meu paladar com tudo o que sempre quis experimentar e nunca tive oportunidade, e com outras coisas que só descobri cá mas que me deixaram logo de água na boca.

Joshua's Pita Shoarma 

Já que tinha ouvido falar tanto e tão bem, comecei por aqui. Mas esqueçam, é um grande no-no. Detestei, a carne sabe mal, as batatas são pouco saborosas e o menu é caro. Não me parece que lá volte. 


Santini

Oh-meu-deus. Eu juro que nunca comi gelados tão bons. São caros, pois que são, mas são mesmo muito bons, acabam num instante e só dá vontade de lá voltar e experimentar os sabores todos. Desta vez experimentei de Brigadeiro e as minhas papilas gustativas saltaram de prazer. Nhami-nhami!


Mas não ficamos por aqui. Em conversa com as minhas colegas de curso chegámos à conclusão de que somos todas umas ignorantes no que toca a comida de outros países e ficaram chocadas com o facto de eu nunca ter ido a um japonês - embora em Coimbra seja bastante normal, fizeram-me logo sentir provinciana. Portanto, vamos começar a fazer um roteiro gastronómico. A primeira sessão será com sushi, para eu ficar a par delas, e a partir daí é sempre a melhorar! Depois venho cá contar como foi (e fazer-vos um bocadinho de inveja também).

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Definição de mau começo de dia

Chegar à loja e em vez de ter cá o fornecedor à minha espera (atrasei-me dois minutos, bolas), ter 20 paletes de leite como presente, à espera que eu as carregue sozinha para quatro pisos abaixo daquele em que trabalho. Great.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Piscamos os olhos, e pum, lá passou mais um ano

Pouco a pouco o sentimento foi entrando. O primeiro bocadinho foi quando me fui despedir das minhas miúdas no primeiro dia de aulas dos caloiros e os vi lá, todos alinhadinhos, e eu não pude mandar um berrinho ou gozar nem que fosse uma única vez com eles. Depois veio a latada e eu já não estava mesmo lá, e custou-me. Vieram as férias de Natal e custou-me ainda mais, porque aí já estava a trabalhar e só tive direito ao dia 24 e 25. Depois vieram os exames - delas - e eu jurei que estava aliviada, e estava, por já me ter livre desta praga.

Mas depois chega este dia. O dia da serenata. É a primeira vez em três anos que não estou lá, e nunca pensei que me fizesse tanta falta. Chega-me a nostalgia e a saudade e eu penso que já nada daquilo é meu. Porque não é. Domingo, no cortejo, ainda vou lá dar um pulinho e tirar umas fotos com elas, e pensar que se lá tivesse ficado iria de cartola como a H. vai.

Se o ano passado fiz força para não chorar, este ano tenho a certeza que choraria, e bastante. Agora sei a falta que a universidade, Coimbra e os meus amigos me fazem.

Mas depois penso que não me arrependo de ter vindo para cá e que não trocava este ano por nada. E chego à conclusão de que há escolhas que doem mais que as outras, mas que têm de ser feitas na mesma, porque afinal há mais vida para a frente.

sábado, 27 de abril de 2013

Eu ando a acumular demasiado


Acho que nunca tal me tinha acontecido. Claro, já tive pessoas com as quais não me dava, em que achava que o feitio era demasiado diferente do meu. E também já tive pessoas que detestei, mesmo não as conhecendo pessoalmente. Mas nunca me tinha acontecido ter que lidar com uma pessoa que eu detesto praticamente todos os dias. Está-se a tornar difícil de manter a compostura, dia após dia. Está mesmo a ficar insuportável. Basta ela abrir a boca e eu reviro os olhos. Basta uma pequena atitude para eu os revirar duas vezes. E juro-vos que não é embirração minha, tenho a certeza em como pessoas que têm a mania que são muito boas e que vos olham constantemente de cima também vos incomodariam. O problema é que no dia em que explodir e lhe disser umas verdades, sei que sou eu que fico mal vista.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Não sei se ria ou se chore

Mas numa incursão de pura cusquice ao facebook da minha primeira crush a sério - já lá vão cinco anos - descubro que o rapaz não só está para lá de desinteressante, como também está gordo, assim 15 ou 20kg mais gordo do que quando nos conhecemos.

Chego à conclusão de que agradeço mesmo por nunca termos tido nada.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Eu tenho uma relação amor-amor

com o sol e com o calor. Não gosto, aliás, detesto mesmo, o frio, a chuva e o vento. Não me dou com o Outono e muito menos com o Inverno.

É que, com o sol, tudo fica mais fácil. Fico sempre mais bem-disposta, sempre com um sorriso na cara. É tão bom que por mim saltitávamos entre Primavera e Verão todo o ano e não me importava nada.


quinta-feira, 18 de abril de 2013

A minha condição física está, definitivamente, pelas horas da morte

Ontem, por meio de uns exercícios na aula acabei por fazer 15 agachamentos. Hoje de manhã senti as pernas as queixarem-se e achei que era uma boa altura para fazer outros 10, assim de seguida, para ver se começo a ficar, aos poucos e poucos, com umas pernas mais jeitosinhas.

Deve ter sido a pior decisão que fiz nos últimos tempos.

domingo, 14 de abril de 2013

Três apresentações passadas

E muitos bons comentários feitos às minhas pernas e ao meu traseiro que a certa altura fica completamente visível ao público - ainda que com boxers pretos por cima das meias - e nem um único feito à minha performance em si, fico sem saber se hei-de ficar triste ou contente.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Hoje

gastei mais de 20€ em maquilhagem e afins. Pincéis, pó compacto, eyeliner e outras coisas que estava a precisar e que vou usar amanhã. Pelo menos fiquei com a sensação de que agora sim, agora tenho um bom kit completo.



Estou a gozar, nenhuma mulher alguma vez acha que tem um kit completo. Há-de faltar sempre alguma coisa. E eu não sou excepção.

sábado, 6 de abril de 2013

E depois há ensaios que correm melhor que outros

como na quarta, mesmo antes de irmos embora, em que o P. se sai com um:

- tu, tu...

- opá, eu sei que me esqueço sempre de pôr as mãos para baixo, mas o que é que queres, está frio e estou há quatro cenas lá trás parada, e isto de estar de saia não ajuda nada, por isso cruzar os braços é instintivo, mas agora na repetição já os meti para baixo logo ao início! - disparei eu, sem o deixar falar.

ele faz uma cara confusa e responde, num suspiro:

- hã? nada disso. é só que és... linda.

e eu embasbaquei, corei e babei. e depois disse uma data de babuseiras umas atrás das outras.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Aquele momento em que

Vemos o sr. Diogo Infante a pedir um café nas Sandes e ficamos com os olhinhos a brilhar e queremos lá ir falar com ele e perguntar uma série de coisas mas temos de ficar quietas e sossegadas porque estamos a trabalhar e o nosso dever é unicamente servir gelados e manter a loja em condições, não podendo fazer aquilo que nos dá na gana.

domingo, 31 de março de 2013

Então boa Páscoa para vocês também!

Este ano a minha Páscoa de vulgar não teve nada. Nunca tinha passado este dia fora de casa sequer. Desde pequena que me lembro de fazer doces com a minha mãe e arrumar a sala porque por volta das quatro da tarde começa-se a ouvir a campaínha nas ruas: é a visita pascal. Lá na terrinha não é o padre que vai de porta em porta, mas sim outras pessoas que se organizam e fazem grupos dividindo-se por zonas e ruas, numa tradição em que eu também fui, uns bons anos, e sempre contrariada, a fazer abanar a sineta.
Este ano nem participo nem fico à espera. Este ano estou em Lisboa, sozinha, na loja, como se fosse outro dia qualquer. Saio às sete da tarde e depois ainda tenho de ir ao Colombo comprar uns calções para começar a usar a partir de amanhã nos ensaios. Podia ser um dia qualquer, e eu digo a toda a gente que o é, mas não é verdade. Mas sei que quando chegar a casa, lá pelas nove, com o jantar já feito por mim desde manhã, tenho o meu pacote de amêndoas que eu comprei só para mim, que não me deixa esquecer da importância do dia de hoje.

sábado, 30 de março de 2013

Sabem aquela sensação de alívio

que acontece quando pensam: 'ufa, ainda bem que não sou só eu a pensar assim!'? Bom, depois de meses a fio a sentir-me a pessoa mais solitária de sempre, hoje, no fim do ensaio em vez de vir para casa a pé, resolvi ir com mais três colegas minhas para o McDonalds do Saldanha. E foi o melhor que possam imaginar. Três horas e tal de pura conversa e puro riso e a constatação de que nos entendemos tão bem e sentimos exactamente as mesmas coisas. Afinal, sempre tenho amigas cá, e soube-me pela vida.

Já não tão boa foi a sensação de saber que para além dos três gays que há no meu curso e os quais eu já me tinha apercebido, afinal há mais dois, e eu andei este tempo tapadinha de todo - felizmente que não me tinha dado interesse em nenhum deles. 

quarta-feira, 27 de março de 2013

Carta a São Pedro

É já para a semana que a minha peça estreia. Desenganas-te se achas que te escrevo para falar do meu nervosismo. Eu estou até evitar pensar no assunto que é para não ficar debaixo de muita pressão. O que se passa é que eu faço a peça toda de pernas ao léu, que é como quem diz, ora de vestido, ora de saia. E o problema reside na porcaria de frio que tem estado. E digo porcaria para não dizer palavra pior. É que já não se aguenta, e o pior de tudo é o facto de estar constantemente a tremer de frio em palco. De vez em quando, até tenho arrepios, e outras vezes espirro em situações completamente despropositadas. E isto assim não dá. Por isso, S. Pedro querido, vê lá se mexes uns cordelinhos em prol da tua querida pseudo-actriz, que eu ficava muito feliz. Podemos até fazer um acordo: eu não me importo que chova e faça frio de segunda a quinta desde que na sextas, sábados e domingos do próximo mês esteja um tempo mais jeitoso. Pode ser? Eu sabia que sim, tu até és um tipo todo porreiro.

segunda-feira, 25 de março de 2013

É quando eu vejo tanta gente a felicitar-se

Por os Gogol Bordello irem à Queima a Coimbra, que eu percebo que a minha cultura musical anda pelas horas da morte. Nunca ouvi falar em tais senhores.

quinta-feira, 21 de março de 2013

Constatação do dia #2

Tenho a certeza absoluta de que cada vez que venho trabalhar para a loja dois ou três neurónios meus morrem. E a coisa ainda se agrava mais quando me apercebo que já não folgo desde sexta passada. Fim-de-semana meu, chega depressa.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Ah, mas e os vestidos e o dia lindo Buu? Pois, mas isso é só um dia, que por acaso nem tem grande coisa que ver com o resto do casamento em si...

Cheguei oficialmente à idade em que os meus amigos/colegas/conhecidos se estão a casar. Eu achava que estava livre desta praga por pelo menos mais 5 anos, mas anda tudo doido para meter uma aliança no dedo, está visto. Depois da minha querida colega de loja, ontem vi no facebook que uma colega minha do secundário está noiva. E também tem 21 anos. Isto não é assim um bocdito a atirar para o cedo?


sexta-feira, 8 de março de 2013

este é um post extremamente confuso, que, provalvemente só eu perceberei*

Sabes, fez-me mal. Bolas, eu ia com um ar de tédio, completamente desmotivada, só e apenas para te fazer a vontade, para não ser bitch. Dois minutos antes o A. disse para eu te dar uma tampa e ir-me embora, afinal estava mais do que no direito de o fazer. Confesso que ainda o cheguei a ponderar, mas não foram mais de dois segundos. Afinal cinco meses sem nos falarmos deu para modificar muita coisa no meu pensamento. Deu para te odiar, para acordar com raiva por ter sido uma totó, por pensar muitas vezes em ti e quase verbalizar asneirões. Depois dessa fase, a indiferença começou a ser notável. E eu sabia que era esta parte que me interessava. Quando tu começavas a não ser mais do que uma marca. Uma cicatriz como aquela que tenho no joelho, e sei que ela lá está, mas à qual já não faço caso.
Mas então, dizia eu, lá fui. E fez-me mal. Porque eu já não me lembrava. Esta é a razão principal: eu já não me lembrava porque é que gostava de ti. Não me lembrava que és das pessoas com quem consigo ter conversas verdadeiramente interessantes - e que isso foi dos primeiros aspectos a cativar-me em ti. Já não me lembrava das nossas discussões infinitas sobre cinema. Já não me lembrava que contigo tenho o riso sempre fácil (e estérico, pelos vistos). E já não me lembrava que a tua memória era tão excelente que decorava sempre o minímo dos pormenores. Enfim.
Agora, de certa forma, sinto que tenho de começar o processo todo de novo. Apesar de não conseguir deixar de me debater sobre porque raio quiseste tu falar comigo - porque não estou propriamente habituada a atitudes despretensiosas - sei que o teu interesse em mim já passou há muito. Sei que para ti a caravana já passou. Mas às vezes eu penso, e possivelmente penso nisto vezes demais, se nós não teremos tido uma história demasiado curta. Acho que podíamos mesmo ter sido épicos. Ficámo-nos por tão pouco e podíamos ter sido tanto.
Mas depois penso no já e no agora, e não me faz sentido. A minha vida mudou e tu já não encaixas aqui. Assim como eu já não encaixo em ti. Seria mesmo impossível. Por isso, e por mais que me custe admitir, tenho pensado em ti como um longo prazo. Acho que sim, que poderemos sei lá, em cinco, dez anos, retomar e seguir a partir de onde nos deixámos.
E depois acho que este tipo de pensamento é estúpido. Mas depois penso que eu estou é sempre a pensar demais e a racionalizar tudo. E não chego a grande conclusão, sabes? Tenho o parvo do meu coração a chamar por ti, só que o meu cérebro já está farto dele. Já não lhe passa grande confiança. Por isso vou ficando assim, como estou. Porque, para já, é ele que agora manda nesta casa. Nem que seja para não criar esperanças idiotas.










*e é, também, o último post que escrevi sobre ti.

quarta-feira, 6 de março de 2013

A emissão segue dentro de momentos

Sim, eu sei. Tenho sido uma desaparecida do pior. Porquê? Porque agora tenho ensaios todos os dias da semana (excepto ao sábado) e trabalho durante o dia. Ou seja: só há tempo para comer e dormir, de resto pouco mais. Em Abril estreamos - e quando souber os pormenores venho cá dizer - e por isso a concentração tem de ser máxima. Depois em Maio, se Deus quiser, se o karma quiser, se todos os santinhos quiserem, hei-de mudar de emprego, e o brilho nos meus olhos há-de voltar. Até lá vou continuar assim: meia desaparecida.

sábado, 2 de março de 2013

Não, não há mesmo nada que se compare

À comida da mamã, à minha cama, e ao aquecedor com o cobertor nas pernas. Não há mesmo nada como a nossa casa.




segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Epá, devia ter apostado no euromilhões

Não é que acertei tudo a que apostei, menos na Melhor Actriz Principal? Ena, é o primeiro ano que realmente prestei uma atenção devida a isto!

domingo, 24 de fevereiro de 2013

And the Oscar goes to

Ainda não foi este ano que consegui ver todos os filmes a que me tinha proposto. Desta feita, o Django, as Beasts e o sr Lincoln ficaram para trás.

Mas, e mesmo assim, vou fazer as minhas apostas na mesma tendo como base os filmes que vi e opiniões que li sobre os outros três.

Ora bem, e sem mais demoras, vamos lá:

Melhor Filme: Argo

Melhor Actor Principal: Daniel Day-Lewis

Melhor Actriz Principal: estupidamente difícil de decidir mas Naomi Watts

Melhor Actor Secundário: Christopher Waltz

Melhor Actriz Secundária: Anne Hathaway (estou a torcer muito muito por ela)

Melhor Argumento Original: Django Unchained

Melhor Argumento Adaptado: Argo

Melhor Realizador: Ang Lee

E é isto. Agora é fazer figas e ver quantos vou acertar!

sábado, 23 de fevereiro de 2013

A veia de cusca que há em mim revelou-se, esta noite, em sonhos

Hoje sonhei que eu e as minhas amigas (as mesmas que vieram visitar-me o fim-de-semana passado) fazíamos parte de um gang bastante organizado. Corríamos várias casas, e em cada uma delas matava-mos quem lá estava dentro - sinceramente não sei porquê. Enfim, repetimos a façanha várias vezes até que fomos apanhadas.

Quando chegámos ao tribunal estava lá mais uma série de gente que afinal também pertencia à mesma organização que nós mas que não conhecíamos. Estava lá também o cabecilha do super gang: um tipo da minha terrinha com quem eu não falo mas que é um asco de pessoa.

A maior parte dos acusados recebeu a pena de prisão perpétua (sim, eu sei que em Portugal não há, mas eu estava a sonhar por isso desculpa-se tudo) menos ele. Ele foi o único que recebeu a pena de morte por enforcamento.

Agora senhores, sabem qual foi o primeiro pensamento que me passou pela cabeça ao ouvir a sentença?

- Ora bolas, assim ele vai deixar de escrever no blog dele!

o tipo nem escreve nada de especial, mas é engraçado lê-lo nem que seja para saber quem foi a última conquista dele. i rest my case.



Não sei se ria ou se chore

Eis que recebo um pedido de amizade no facebook. Como tenho por norma só aceitar pessoas que realmente conheço lá fui ver quem era.

Para meu espanto era o Caixas! O Caixas foi meu colega no quinto e sexto ano e lá está: usava óculos. Olhei para o nome dele e não me fez sentido nenhum. Queres ver que o tipo não se chamava mesmo Caixas?? Afinal chama-se André, e eu não me lembrava, de todo.


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Oops,

afinal o amor da minha vida já conta com mais uma requisição, para além destas.

Porque eu sou exigente, e porque lá está, ele não pode ser qualquer um, serei completamente conquistada se for brindada com esta música no fim de um jantar com um convite para dançar pela parte dele, assim mesmo à filme.


estas aulas de Voz e afins, fazem-me mal, está mais que visto.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Road to Oscars'13 #4


(best, eu sei que era para irmos ver este as duas ao cinema, mas como ainda vai demorar a estarmos juntas e como eu queria ver antes dos Óscares, teve de ser...mas não te chateies, já te vou dar ainda uma razão melhor para não termos ido)  Juro que não percebo qual é o alarido à volta deste filme. Grande desilusão. Nos primeiros 45 minutos estive quase sempre prestes a adormecer. Secante e previsível, nada de especial mesmo. Se tivesse ido ver ao cinema tinha ficado chateada em ter dado dinheiro para isto. A única coisa que vale é tipa que é óptima actriz, mas isso também já nós estávamos fartos de saber. Nota: 7/10


Coisa estranha. Não consigo ter outro comentário. O filme é estranho do início ao fim, demora a entrar, e tem, um certo pretensiosismo de quer ser snob. Ainda não vi o Lincoln e toda a gente diz que o Daniel Day-Lewis vai ganhar, por isso fico com pena do Joaquin Phoenix, porque ele arrasou. Aliás, este é outro filme que é suportado pelo actor principal, tal como o anterior. Nota: 6,5/10.

E com isto já só me faltam 4: Lincoln, Django Unchained, The Impossible e Beasts of the Southern Wild.

That awesome feeling

Quando ontem à tarde duas pessoas dizem o mais banalmente possível: "Sim, a Buu é das pessoas mais simpáticas desta empresa" A...