quarta-feira, 31 de julho de 2013

Se se perguntarem onde ando eu

a resposta é: estou finalmente em Londres!

Estou a escrever este post às escondidas de toda a gente por isso tenho de ir! Vemo-nos na próxima terça!

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Sou uma medricas com peso na consciência

Todos os anos por esta altura oiço a mesma campanha: é preciso doar sangue. Faço sempre ouvidos de marcador. Tenho idade e peso, aliás, tenho todos os requisitos para o fazer, mas sou medricas. Tenho a ideia que aquilo é doloroso, e para além disso, que é demorado e que ficamos o resto do dia com o braço incapacitado. Eu até sou uma rapariga com bastante tolerância à dor, mas sempre que penso nisto lembro-me de uma vez que me tiraram sete seringas de sangue para análises e que eu ia desmaiando. Ora, como será se for meio litro? É claro que tudo isto são desculpas, até porque depois bato os olhos nesta imagem e fico logo cheia de peso na consciência, ainda mais do que aquele que já tinha.

É que eu tinha logo de ser A- !

E por aí, já alguém deu? Alguém me quer dar uma forcinha?

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Buu Maria Vs The World

(post muito muito comprido, mas que precisava de ser escrito)

O facto de eu me ir demitir da loja no final deste mês causa um certo desconforto em toda a minha família, e até em muitos amigos meus. Acho que estou praticamente sozinha nesta luta. Bem sei que quando tanta gente nos diz para fazermos o contrário, é porque provavelmente são eles que estão certos, só que neste caso...neste caso, eu acho que simplesmente ninguém me compreende. Ou faz um esforço para tal.

Quando em Outubro passado, vim para Lisboa tirar um curso de teatro, à noite, estava perfeitamente convencida que teria que arranjar um emprego durante o dia, porque os meus pais não são ricos, nem ganharam o euromilhões. Por outro lado, o facto de eu ainda ter pouca formação na área nunca me abriria portas ou audições, ou trabalho que fosse. Sabia que este era um ano para isto: estudar aquilo que mais queria e trabalhar ao mesmo tempo para o poder fazer.

O que ninguém percebe é que esse ano termina agora em Julho. Com excepção de Setembro e Outubro (em que haverão os ensaios e a apresentação da peça final), eu já não preciso daquela loja para nada. Mas toda a gente me insiste em ver que não: que o mercado de trabalho está fechado, que o desemprego é altíssimo, que eu tenho sorte em ter um trabalho, ai a crise - sempre a crise.

Mas vamos lá a ver se esclarecemos uma coisa: eu não quero fazer carreira naquela porcaria de sítio! Nem naquele, nem em nada do género! Para isso estava eu em Coimbra, a estudar! Ainda se fosse um emprego de jeito...mas não é. Nunca vos expliquei porquê, mas em traços gerais posso dizer qualquer coisa como: o patrão não quer saber de nós e delega todo o trabalho em mim, o que não é justo; depois ainda é um mentiroso do caraças; as minhas colegas têm vistas curtas e não têm o mínimo de inteligência e cultura geral, e passar quase um ano com elas está a emburrecer-me (literalmente); a loja não tem livro de reclamações nem licença; as facturas que passamos são ilegais, etc. Há ainda o facto de eu ter descoberto que detesto atender pessoas. Juro. É a pior coisa de sempre. 90% dos clientes são maus. Tratam-nos como se fôssemos lixo e acreditem que ao fim de algum tempo começa a fazer mossa. E, por fim, detesto lá trabalhar porque o horário me fechou portas a tudo: a audições, a ir a casa, a fazer amigos. A minha vida passou a girar à volta da loja, e não era suposto.

Agora que já expliquei tudo, sei bem qual é a questão que fica no ar: então mas o que vais fazer para o ano? Bom, é aqui que cai a bomba na minha família, com toda a gente a pôr as mãos na cabeça e a dizer 'ai jesus'. Ora bem: para o ano vou tentar que o curso que tirei e as peças que fiz me façam valer de alguma coisa. Vou-me pôr a mexer, percebem? Vou mandar fotos e currículos para tudo o que é agência, vou fazer audições até à exaustão, e eu sei que se me esforçar muito muito muito, alguma coisa vai começar a aparecer.

E se não aparecer? Bom, posso sempre arranjar um part-time que não me leve tanto tempo como este trabalho levava. É aqui que toda a gente diz que vou falhar, o que é bastante animador como podem imaginar. Mas... se não conseguir mesmo, no fim do ano volto para Coimbra, satisfaço a vontade aos meus pais e a todos os outros e tiro o mestrado.

Se estou a arriscar muito? Estou, pois. Mas só tenho 20 anos e se não for agora quando é? Parece que ninguém consegue perceber isto.



terça-feira, 23 de julho de 2013

Estou doente

outra vez. E estou sozinha em casa. Escusado será dizer que estou também praticamente sozinha em Lisboa. Logo, não tenho ninguém para me fazer o jantar. Ou para cuidar de mim e me dar mimos. Humpf.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Como começar uma segunda-feira em grande

Chegar à loja e reparar que após o meu fim-de-semana de folga, tenho de ser eu a limpar tudo e a fazer um monte de coisas que as minhas queridas, preguiçosas e incompetentes colegas não foram capazes de fazer.

O que vale é que daqui a seis dias o inferno acaba, e só isso já me deixa de sorriso fácil.

domingo, 21 de julho de 2013

Espectacular

É a palavra que melhor define o concerto dos The Killers. Conquistaram-me desde o ínicio: Somebody told me e Spaceman injectaram uma energia no público que ao tentar cantar o mais alto que podia e saltar ao mesmo, morreu na terceira música. Aliás, eu diria mesmo que as pessoas que assistiram foram o pior de todo o concerto, estiveram constantemente mortas. Enfim. Mas, como dizia, o Brandon Flowers esteve o tempo todo com um sorriso aberto, completamente satisfeito por ali estar, e puxou pelo público a cada dez segundos. O concerto teve direito a tudo: papelinhos pelo ar, batutas do baterista atiradas para o público, fogo de artifício. Resta-me dizer que vim de lá praticamente afónica, acho que isso resume tudo.

Foto tirada por mim, e bem boa na medida do possível
tendo em conta que o tipo não parou quieto o tempo todo!

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Ora bem,

. Ver um boneco a falar com a minha voz e com a minha inflexão deve ser uma das experiências mais giras que já fiz na minha vida. Fazer dobragens é realmente um sonho, mas que, para já, vai ficar adiado, pelo menos até ao meu sotaque do norte (Coimbra não é norte, mas cá insistem que sim) desapareça.

. Ir até Cascais só para ver a vossa amiga a dançar durante um quarto de hora num espectáculo de uma hora e meia é muito pouco justificado. Principalmente quando tudo o resto foi uma seca. Ao menos ela dançava bem, aliás, bem melhor do que aquilo que inicialmente pensei.

. Faltam 2 dias para o SBSR e já estou em modo histeria!

. Faltam menos de 15 dias para sair deste emprego cocó e começo a achar que tudo isto é um sonho.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Coisa escrita sem jeito nenhum a horas tardias da noite e assim em jeito de desabafo

Tenho andado tão cansada que às vezes apetece-me chorar de cansaço. Do nada, assalta-me uma infelicidade vinda cá de dentro que me sufoca e deita-me completamente abaixo. Estou muito farta de trabalhar onde trabalho, estou muito farta de ver todos terem férias e verão e eu não, estou muito farta de estar longe das pessoas que gosto, enfim, estou muito farta de tudo, e estou a chegar ao meu limite, cada vez mais.

No entanto, é nesses momentos que tenho ignorar o agora e olhar um bocadinho para o futuro próximo e ver que coisas boas se aproximam, como alguém me ensinou a fazer.

E sei, eu sei mesmo, que Julho vai ser um mês muito bom, basta eu querer. Na próxima sexta vou aos estúdios da RTP experimentar fazer vozes para as Power Puff Girls (e só Deus sabe o que eu gostava de ficar), e no sábado vou ver o espectáculo final de dança de uma amiga minha daqui, numa bendita saída de miúdas. Para a semana vou - finalmente! - ver os meus The Killers ao vivo. E, daqui a pouco mais que quinze dias estarei de partida para Londres onde estarei cerca de uma semana, numas férias com uma amiga que prometem e muito.

Julho está a ser um mês cheio, e vai ser um mês feliz, só depende de mim - tenho definitivamente de me convencer disso.




domingo, 7 de julho de 2013

Momento egoísta do dia

Falta exactamente um mês para o meu aniversário. Por agora, tento não me focar tanto no facto de ir fazer 21 e me achar uma velha que daqui a pouco já está nos 30, e tenho é pensado bastante em como vou festejar tal feito.

O ano passado amuei e não quis fazer nada, detestei fazer 20, embora o dia até tenha sido bastante engraçado. Mas, daqui há uns anos para trás que só faço festejos da treta: ir à piscina que fica a 1km de minha casa, um jantar no restaurante da terrinha, ir sair para a discoteca chunga da vila.

Este ano quero uma coisa a sério. Uma coisa em grande, que fique para sempre, que toda a gente se lembre, e toda a gente fale naquela festa de anos da Buu. 

A melhor ideia até agora é uma festa ao pôr do sol e que se prolongue pela noite dentro na praia. Foi uma amiga minha que sugeriu, e eu acho espectacular! Se estou um bocado preocupada com a logística e com os preparativos em si? Estou pois. Mas se isto correr bem vai ser altamente!


sábado, 6 de julho de 2013

Coisas que eu adorava estar a fazer neste sábado cheio de calor

Ir à praia/piscina ou estar numa esplanada a comer gelados e caracóis com os amigos.

Coisas que eu vou fazer neste sábado cheio de calor: trabalhar numa loja de gelado de iogurte até às 23h.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Por outro lado,

fui tentar descobrir quem eram os Black Rebel Motocycle Club, uma vez que são estes que vão abrir as hostes do palco principal do SBSR no dia em que vou. E deparo-me com esta música, que já conhecia do filme God Bless America e nunca tinha descoberto de quem era. Poderá ir ser o dia 19 deste mês, um dia mais perfeito do que aquilo que já se adivinha?



Constatação do dia

não percebo a tara que toda a gente tem por aquela música dos Passenger, ou do Passenger, ou o raio. Aquilo é lento, é chato, não tem jeito, é cocó, dá-me sono, e não faz sentido passar na rádio de um quarto em quarto de hora.

Lá vou eu, a alta velocidade

Meses a ansiar por Junho e Junho chegou. Possivelmente um dos meses mais stressantes da minha vida, onde vi as minhas maiores olheiras de se...