quinta-feira, 25 de julho de 2013

Sou uma medricas com peso na consciência

Todos os anos por esta altura oiço a mesma campanha: é preciso doar sangue. Faço sempre ouvidos de marcador. Tenho idade e peso, aliás, tenho todos os requisitos para o fazer, mas sou medricas. Tenho a ideia que aquilo é doloroso, e para além disso, que é demorado e que ficamos o resto do dia com o braço incapacitado. Eu até sou uma rapariga com bastante tolerância à dor, mas sempre que penso nisto lembro-me de uma vez que me tiraram sete seringas de sangue para análises e que eu ia desmaiando. Ora, como será se for meio litro? É claro que tudo isto são desculpas, até porque depois bato os olhos nesta imagem e fico logo cheia de peso na consciência, ainda mais do que aquele que já tinha.

É que eu tinha logo de ser A- !

E por aí, já alguém deu? Alguém me quer dar uma forcinha?

7 comentários:

Laura disse...

Também sou assim, medricas!

Colored girl disse...

Eu dei pela primeira vez há 15 dias atrás. A única coisa que dói é a entrada da agulha (1 segundo), mais nada. O braço não ficou incapacitado, nem magoado durante esse dia. (Nem no dia seguinte.) E agora perguntas tu se isto foi tudo um mar de rosas... Não foi. Senti-me mal disposta mas fui prontamente socorrida. Concretamente: senti muito calor, comecei mesmo a transpirar, e as enfermeiras (umas queridas) elevaram-me as pernas. Foi o bastante para me sentir melhor. Mais no final os suores voltaram e comecei a sentir vontade de vomitar. A colheita terminou, bebi um café com 2 pacotes de açúcar (recomendado pelas enfermeiras) e fiquei como nova. O enjoo passou rapidamente e não vomitei. Ah e tal e não ficaste lá muito tempo com a agulha espetada, perguntas tu. Fiquei algum tempo, sim. Mas a agulha não provoca dor enquanto sangue sai. E fiquei a saber que há quem só demore 3 minutos a dar sangue - é porque tem as veias largas e aquilo é uma maravilha. No meu caso demorou um pouco mais mas foi tranquilo. Respeitaram o meu tempo após a colheita pois fiquei na cadeira algum tempo até me sentir melhor. Asneira a não repetir: ir dar sangue sozinha. Limitações: durante o resto do dia não podes fazer esforços físicos nem andar muito. Esplanada e livro, percebes? E temos que beber imensos líquidos. (Convém mesmo beber antes da colheita e comer bem.)
Sensação após: muito boa. Senti-me útil, emocionei-me. Foi muito bom, de verdade. Não tenhas medo, não vale mesmo a pena. Só levas uma picada no dedo para ver se estás anémica e uma picada no braço para a colheita.
Força!
(E desculpa o relato gigantesco mas é um gesto tão simples... E pode salvar vidas. Olha o exemplo deste acidente em Santiago de Compostela... As reservas de sangue esgotam cm facilidade!)
Mais uma vez: força!

M disse...

Eu tentei de tudo para ser dadora, mas infelizmente pelos problemas de saúde que tive/tenho não me é permitido doar sangue.
Apenas te posso contar o outro lado da história: o quão bom é saber que alguém, por um gesto altruísta, doou sangue salvando assim a vida de pessoas que tanto gosto que estavam num BO de um hospital. E digo-te, é de uma gratidão imensa

Força!

Beijinho

м♥ disse...

Eu sempre disse que quando fizesse 18 anos queria ir dar sangue. A coisa deu-se só aos 19 e não custou nadinha. Ainda só dei duas vezes, porque entretanto fiz um piercing e não posso dar nos 6 meses seguintes. Mas estou já pronta pra outra quase, em setembro! Não custa nada, a sério. Não demora muito. Eu não gosto particularmente de seringas e agulhas e essas coisas, mas o que faço é não olhar e pronto. É só aquela impressão da agulha a entrar e depois nem se dá por nada. Ficas a abrir e a fechar a mão, pro sangue fluir mais rapidamente, e num instante enches um saquinho. Também nunca me senti mal depois de cada dádiva de sangue. Nem com o braço pisado, inchado ou incapacitado de algum modo. Não dói e a sensação de contribuir para uma causa é tão gratificante!

Hoje ouvi na rádio que estão prestes a acabar as reservas de sangue, que só duram mais duas semanas, e fiquei cheia de remorsos por não poder dar sangue até setembro! :( sê uma boa menina e vai! por mim e por ti :)

Jude disse...

Nunca dei... confesso que sinto o mesmo que tu :/

Joaninha disse...

Eu dei sangue pela primeira vez este ano (tenho 21) :)
É muito mais simples do que possa parecer... fazem-te algumas perguntas, medem a tensão, fazem uma picada, e se estiver tudo bem tiram-te então o sangue. É só uma picada de nada no braço. Estás sentadinha, passa num instante, a sério.
Eu costumo ter quebras de tensão e fiquei um bocadinho enjoada no final. Mas comi qualquer coisa, estive ali sentada um bocadinho, e passado meia hora estava a caminho do estágio, e passei o dia todo bem!
Vale a pena, é por uma boa causa ;)

Pam disse...

A primeira vez que fui dar tive de preencher uma papelada, responder a um questionário e fiz uma espécie de triagem. Depois de concluírem que podia dar, lá me sentei na maca, pronta para tirar quantos litro quisessem (queria muito dar sangue e gosto particularmente de assistir a procedimentos técnicos de enfermagem...). Infelizmente o meu sangue não fluia como deve ser. Eu sentia-me bem, estava relaxada mas os meus vasos não quiseram ajudar e pronto, a enfermeira teve de tirar a agulha para não pisar ou magoar o braço. Disseram que era melhor tentar depois e, infelizmente, ainda não voltei a tentar. Quero ver se trato disso o quanto antes mas aconselho toda a gente, desde que possa, a doar sangue. É mesmo bom saber que alguém pode ser salvo graças a um gesto tão simples da nossa parte :)

Aos 25

Passei a meia-noite de 7 em Budapeste com uma das minhas melhores amigas e foi o melhor dia de anos de sempre. Entre almoçar McDonalds e jan...