quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Não me apetece dar um título de jeito a isto

Há dias que tenho saudades de gostar de alguém. Tenho saudades dos mimos, e das mensagens melosas que provocam sorrisos sinceros antes que os consigamos controlar. Tenho saudades de lamechices, de ouvir músicas e pensar imediatamente naquela pessoa. Já não estava habituada a ouvir o raio das letras e a pensar 'ah, sim, que giro, mas isto não é para mim'. E é que depois 80% das músicas é sobre relações, ou amor, ou desgostos, e uma pessoa sente-se desenquadrada. Dou por mim a achar a nova música do Jonh Legend completamente intragável, e a querer gostar dela, mas não tendo como. Tenho saudades em querer a felicidade do outro tanto ou mais do que a minha, tenho saudades da preocupação constante. Tenho saudades de dar as mãos, de passear, de fazer parvoíces, de estar na galhofa, de olhares cumplíces, de beijos, de acordar de manhã e o primeiro pensamento não ser aleatório.

E dizem-me: 'vai sair', 'vai conhecer pessoas novas', 'mete-te com aquele', 'olha tenho um amigo mesmo bom para ti'. E eu vou. Eu saio, eu conheço pessoas novas, eu meto-me com aquele tipo engraçado, e espero que se decidam a apresentar-me os amigos compatíveis para mim. Mas não dá em nada. Depois de os meus padrões altos terem dado resultado, é tão difícil baixá-los como encontrar alguém à altura deles.

Aos 25

Passei a meia-noite de 7 em Budapeste com uma das minhas melhores amigas e foi o melhor dia de anos de sempre. Entre almoçar McDonalds e jan...