segunda-feira, 19 de maio de 2014

O meu charme é incontornável

Depois de uma saída com as pessoas do trabalho, como me despedir do anormalzinho: contar como a minha casa foi infestada com baratas o ano passado, não esquecendo de referir os pormenores sórdidos.

Buu Maria a arruinar possibilidades desde 1992.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Coragem é...

ter-me levantado às 6h30 e ter trabalhado 12h mas estar a esta hora a fazer a depilação a cera porque amanhã tenho de levar vestido para a empresa porque vai lá alguém mesmo muito importante.

Aproveito e mostro as pernas ao outro para ver se acerta as ideias, já que anda meio anormalzinho.

sábado, 10 de maio de 2014

Pausa na vida agitada da capital

Ontem o meu facebook voltou a mostrar aquilo que acontece todos os anos em Coimbra: a Serenata Monumental. É impressionante como já passaram 2 anos desde a última a que fui, mas parece que é agora, finalmente agora, que me começo a desligar um pouco de tudo. Não faço ideia de como será a minha vida, mas começo a encaixar que muito dificilmente voltará a passar por ali.

No entanto, há coisas que ficam. Como a Queima das Fitas. É impossível fugir à Queima. E é por isso que eu e os meus amigos teremos hoje o jantar de sábado de queima como fazemos todos os anos. Vamos todos, e por isso, a noite promete muito! Porque hoje volto a pertencer a Coimbra, e de Lisboa, segunda-feira, terei certamente novas histórias para contar.


quinta-feira, 8 de maio de 2014

Porra

Já me tinha esquecido que estas coisas de andar caída por alguém são como uma montanha-russa. Ora estamos lá em cima com um sorriso a toda a hora, ora nos sentimos na lama. Hoje estou, definitivamente, na lama.

domingo, 4 de maio de 2014

Como vai a tua vida Buu Maria? Uma bagunça pegada #2 (assim como este post o é)

É que depois temos este lado. Este lado de mim que me mostra cada vez mais caídinha por alguém que eu jurava a mil pés juntos que não. Fui vítima do maior arranjinho que há história, a sério, duvido seriamente que haja outra empresa inteira a conspirar em conjunto para duas pessoas fiquem juntas. É certo que ser a única solteira havia de dar nisto mas...parece que toda a gente nos descobriu antes de nós próprios termos sequer olhado duas vezes um para o outro.

É que depois tenho este lado. Este lado que acha que estou a ser precoce em escrever isto, mas bolas, porque não? Porque em nós já não há nada de precoce, e já tivemos sorrisos e olhares que cheguem. E é achar que não faço ideia do que vi em ti, mas depois perceber-me tão bem: estou farta do mesmo molde de pessoa, dos atadinhos, bolas, estou farta dos atadinhos! E tu és assim um bipolar que não percebo bem: ora és um atado da pior espécie, ora passas horas a tentar convencer-me de que ir contigo dar uma volta seria a melhor decisão da minha vida. E é isso que gosto em ti: da tua agitação, da incógnita, de não te conseguir definir decentemente. E que apesar de meio atado, meio atrevido, não desistes de mim, mesmo eu sendo uma bruta para ti como não sou para ninguém. Ou melhor, sou, é o meu feitio, de vez em quando lá solto uma parvoíce qualquer, e tu, feito parvo também, ris-te. Ris-te das minhas parvoíces e eu acho que isso é um feito, porque são coisas que não interessam nem ao menino Jesus. Ris-te, e depois ainda és fofo comigo. E isso até eu acho que não mereço.

É que depois temos este lado. Este lado que sabemos os dois que é perigoso. Porque somos os dois da mesma empresa, e mesmo não trabalhando no mesmo edifício, sabemos o quão errado isto pode dar. Mas e se der certo? É que pode dar tão certo!

É que juro que tento disfarçar, a sério, tento arduamente, mas está a começar a ficar difícil. Já toda a gente percebeu, só falta tu teres a certeza que, assim como eu sei que estás a começar a ficar caídinho por mim, eu estou a ficar assim caídinha por ti também. Se calhar...só se calhar, devia ser mais explícita.





Alerta pessoas com caracóis: a água de Lisboa não presta

Acabei de ver fotos minhas de quando vivia em Coimbra e a minha reacção foi: mas para onde foram os meus caracóis todos??? Desde que moro em Lisboa o meu cabelo não passa de um frisado que quer ser liso. A diferença só pode ser da água, porque de resto trato-o exactamente da mesma forma que há anos. Sempre me queixei de ter o cabelo encaracolado, mas agora só consigo achar que assim é que não tem piada nenhuma mesmo. Bof.

sábado, 3 de maio de 2014

Como vai a tua vida Buu Maria? Uma bagunça pegada

Já aqui referi várias vezes que na minha empresa toda a gente tem menos de 30 anos, e que trabalhamos muito. E por muito entenda-se 11h, 12h diárias. O facto de passarmos tanto tempo juntos faz com que, naturalmente, as pessoas se agrupem por afinidades e tipos de trabalho. Eu tenho noção de que pertenço ao grupo de pessoas unido da empresa. E isto corre muito bem. Menos quando nos dizem que um de nós vai sair.

Foi o que aconteceu em Março com a C. e é o que vai acontecer agora com o E. Com o E. que é o meu melhor amigo lá. Com o E. que faz sempre questão de me dar um bom dia simpático, que ouviu as minhas queixas tantas vezes, e que outras tantas desabafou comigo. Com o E. que tem estado a fazer do melhor cupido que sabe por mim e pelo atrasadinho do post debaixo. Com o E. que é definitivamente uma das minhas pessoas preferidas e que me vai custar tanto deixar.

E com isto tudo sinto a empresa a ficar vazia, e a minha vontade de trabalhar começa a ir por água abaixo. Afinal não foi por nada disto que lutei quando deixei Coimbra e vim para Lisboa.

Aos 25

Passei a meia-noite de 7 em Budapeste com uma das minhas melhores amigas e foi o melhor dia de anos de sempre. Entre almoçar McDonalds e jan...