domingo, 23 de fevereiro de 2014

Sou uma tótó no que toca a engates

É certo, para mim, que em cem rapazes que me mostrem eu vou ficar minimamente atenta apenas a um ou dois, por isso quando estes aparecem, eu não me sei comportar. Não sei. Fico muito consciente de mim própria e só faço porcaria.

Hoje voltei a ver um tipo que me despertou interesse como nenhum outro nos últimos tempos. É que para além de ser um querido, também é giro que se farta. Sendo que sabia que onde ia hoje ele iria aparecer, o meu cérebro esteve em plena actividade toda a tarde:

'ainda não apareceu, ainda não apareceu...que seca, isto assim nem tem metade da piada'

Entretanto, eu e as minhas amigas mudamos de sítio e lá está ele.

'ai, está ali, está ali. vou armar-me em cool e passar ao lado dele a ver se me diz alguma coisa' 'não disse, bolas, não disse. ai mas ele é tão giro... morro com aqueles olhos verdes! ai, está a olhar para cá, de certeza que agora vem cá dizer alguma coisa!' 'não vens? então és parvo e não gosto mais de ti, não és assim tão giro e querido, vai à vida que eu vou à minha' 

Ele desaparece. Passado cinco minutos voltamos a mudar de sítio e a esbarrar nele outra vez.

'pronto, chega de dramas e vou-lhe dizer olá' 'ok, boa, estamos a trocar olhares, se calhar podia no mínimo balbuciar alguma coisa...' 'ok, um sorriso está bom, pronto, já sorrimos um para o outro, já não é o fim do mundo' 

Ele acaba por me dizer olá tarde demais quando eu virei a cara. Voltamos a mudar de sítio e lá está ele novamente! Está à nossa frente e por isso não nos vê, mas passado algum tempo aparece um amigo que o chama e nesse momento volta-se e ficamos frente a frente. Ele sorri-me e estende-me a mão.

...

Eu fico a olhar feita parva para a mão dele.

Ele continua com a mão estendida.

Eu continuo a olhar feita parva.

Até que se faz clique! Ele estava a cumprimentar-me com um sorriso fofo e tudo! Coro como tudo, dou-lhe a mão, momento de química e sorrisos, e cumprimenta as minhas amigas. Volta-se a virar de costas para nós. Eu quase morro de vergonha.

Passado uns minutos decidimos que está na hora de irmos embora. Não sem antes voltarmos a passar um pelo o outro e eu - estúpida - fingir que não o vi.

E amaldiçoo-me de morte por ter 21 anos e ser uma tótó no que toca a homens. Não sei comportar-me, não sei conquistar, não sei sequer conseguir falar com um tipo com até já conversei uma vez de forma bastante interessante! Por este andar vou ficar para tia com sete gatos cá em casa.



Toda eu sou excitação


A minha série preferida de sempre vai voltar!

domingo, 9 de fevereiro de 2014

domingo, 2 de fevereiro de 2014

É certo como o destino (drama feminino)

sempre que vou cortar o cabelo, detesto ver-me. Descobri o corte certo para mim há uns dois ou três anos e desde aí que corto sempre igual, mas passo sempre este tormento. Detesto sempre. Rogo pragas à cabeleireira - onde corto o cabelo há quase dez anos - e digo que nunca mais lá volto. Mas passado cerca de uma semana o cabelo habitua-se ao novo corte e fica lindinho, começa a crescer e fica como eu queria. Adivinhem: cortei-o ontem.

Lá vou eu, a alta velocidade

Meses a ansiar por Junho e Junho chegou. Possivelmente um dos meses mais stressantes da minha vida, onde vi as minhas maiores olheiras de se...