segunda-feira, 31 de março de 2014

Perdida em Lost #1

(querido leitor, este texto tem spoilers, se ainda não viu Lost, aconselho a não ler)

Ora portanto, e até agora: o Damon Salvatore (impossível dissociar o actor) morreu, a pegazinha da irmã dele diz que quer ir com calma com o Sayid, continuo-me a babar para o Jack, queria mesmo que o casal de coreanos se entendessem, e o bebé nasceu, finalmente. 

O vício está a aumentar tanto que já sonho com a série de noite.

domingo, 23 de março de 2014

Ai

Comecei a ver Lost. Como é que agora se pára mesmo?

 (sejam fofinhos e não me spoilem, até porque já li algures o fim e fiquei um bocado desiludida)

sábado, 22 de março de 2014

Coisa pequenina que eu gostava que as pessoas no meu facebook percebessem

Frases/imagens pós-relacionamento com uma mensagem do tipo "já não quero saber de ti, já nem me lembro que existes", só demonstram efectivamente o contrário.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Hoje

a C.,a pessoa que mais me ajudou na empresa, ajudou-me tanto tanto, que riu comigo a bandeiras despregadas e que foi a minha maior amiga, despediu-se.

Só me apetece chorar quando penso em como as coisas ficarão diferentes sem ela lá.

sábado, 8 de março de 2014

Socorro, a minha empresa é um reality show

Aqui há uns tempos dizia que tinha uma grande sorte com o sítio em que trabalhava, uma vez que éramos todos boas pessoas. Bom, entretanto abri os olhos, e apercebi-me que as coisas não são o conto de fadas que eu pensava. O facto de termos todos menos de 30 anos e de passarmos cerca de 12h todos os juntos, mesmo que em salas diferentes, torna a minha empresa numa autêntica Casa dos Segredos ou num Big Brother. Há de tudo:

. o casal que toda a gente sabe que é casal mas que diz que não é, e que tem pessoas lá fora; 
. grupinhos que dizem mal das pessoas e quando passamos ao pé deles se calam;
. rapazes que se juntam e falam à mete-nojo sobre raparigas;
. pessoas a jogar que vão dizer aos superiores coisas que nós não fizemos só para nos mandar para debaixo do autocarro; 
. partidas entre colegas a toda a hora (eu insiro-me especialmente nesta);
. pessoas que se fazem umas às outras, e quando se fartam passam à próxima;
. a comida má reina o dia: chocolates, tostas mistas, batatas fritas. Todos os dias alguém come disto, e muitas vezes mais do que uma vez;
. discussões tão altas e ferozes que todos ficamos num silêncio constrangedor;
. ciúmes porque nos damos com certas pessoas;
. sorrisinhos e conversas de corte e costura por trás;
. pessoas falsas (esta então deve ser a que tem maior peso).

E estamos a chegar a um ponto que se pudéssemos ir a votações, votávamos para sair aquela pessoa que a maior parte detesta, mas sobre esta ainda vos hei-de falar melhor um dia.




quarta-feira, 5 de março de 2014

Her

Entrou assim de rompante para a minha lista de filmes preferidos. É mesmo mesmo muito bonito.


domingo, 2 de março de 2014

Óscares '14

Este ano foi péssimo para mim, e não vi nem metade mas...e assim um bocado atiradas para o ar, aqui vão as minhas apostas:

Melhor filme



Melhor realizador

Steve McQueen

Melhor actor principal
Leonardo DiCaprio 
(a torcer por ti homem, que não vai ser fácil de ganhar)

Melhor actor secundário
Jared Leto

Melhor actriz principal
Cate Blanchett

Melhor actriz secundária
Lupita Nyong'o 
(ou qualquer uma que não seja a Jennifer Lawrence, por favor!)

sábado, 1 de março de 2014

He's just not that into you ou o momento mais constrangedor de toda a minha vida

Parece que sim, que há novidades sobre aquilo que escrevi aqui abaixo. Antes de tudo é preciso caracterizar o tipo de quem falei. Sim, há mais a saber do que apenas que tem uns olhos verdes que me matam e que é um simpático. É coreógrafo e dançarino, e é todo desportivo, como a profissão o faz ser.  Já apareceu na televisão durante algum tempo, e à conta disso tem a conta de facebook completamente cheia de amigos, sendo impossível adicionar mais alguém.

Mas eu, depois do breve encontro de domingo, e com uma boa dose de coragem, resolvi mandar-lhe uma mensagem no facebook cheia de piada a dizer que ele era todo social e que como não dava para o adicionar, deixava simplesmente um olá.

Não me respondeu e fui dormir. No dia seguinte, depois da hora de almoço, resolvo voltar a verificar a mensagem e pumba: "vista às 23:59" mas resposta... nicles. Pronto, tinha levado ali uma tampa, mas pensei que ao menos tinha tentado e agora já podia seguir em frente sem andar a pensar mais no assunto. E, honestamente, não me importei mais.

No dia seguinte um investidor importante iria à minha empresa portanto tudo teria de estar em ordem. Seriam umas sete da tarde quando me levantei para arrumar a minha secretária e comecei a pegar nos pratos de toda a gente para levar ao bar (sim, nós comemos muitas vezes o lanche em frente ao PC). Voltei, sentei-me e respondi aos emails que tinha pendentes. Preparei-me para ir embora, mas achei que era melhor ir à casa de banho primeiro. No meu edifício funcionam várias empresas, por isso a casa de banho do meu piso estava cheia. Resolvi ir à do andar de cima. Subo lentamente as escadas e penso no que é que tenho de trazer vestido amanhã...uma saia, possivelmente.

Subo o último degrau e os meus olhos não acreditam no que vêem.

Ele está ali com uns amigos sentados a uma mesa. É mesmo ele. Pânico. Pânico! Pânico! Tentei andar para trás e descer as escadas, mas tarde demais, ele já me tinha visto - o que ainda tornou a situação mais ridícula. Vêm-me à cabeça todos os nomes que me lembro e penso em qual seria a probabilidade de o encontrar num edifício de desenvolvimento tecnológico àquelas horas da tarde: nenhuma.

Lentamente avanço para o cumprimentar, ele levanta-se e muito sorridente dá-me dois beijinhos. Eu só quero um buraco. Lá lhe explico que trabalho ali (não vá pensar que o ando a seguir) e que por acaso, ia agora à casa de banho - pormenor completamente estúpido de esclarecer. Ele diz que está numa reunião com colegas para um novo projecto. Silêncio constrangedor. Até que põe o dedo na ferida:

Eu acho que recebi uma mensagem tua ontem, não foi? 

Amaldiçoei-me de morte. Sim, sim, mandei.

Eu tentei adicionar-te, mas realmente já tenho muitos amigos, alguns deles nem conheço até. Eu adiciono toda a gente e depois é assim, ahahahah. Mas vamos falando, vamos falando.

Se não conhece algumas pessoas bem que as podia eliminar e adicionar a mim não era? Fez-me sentir pior ainda. Disse-lhe que sim, sorri e despachei-o. Só queria fugir, esconder-me, e esquecer que aquilo estava a acontecer. Lá me deu mais dois beijinhos - estava muito simpático. Devia ser só peso na consciência.

Fugi dali o mais depressa que pude, e enterrei-o num buraco bem fundo da minha memória. Tudo o que eu queria menos era voltar a vê-lo.

Mas não é que depois daquilo tudo, o homem chegou a casa e respondeu-me? Já eu fiquei sossegada, que de humilhações já tive que baste.